Lisboa em 4.º lugar no top das cidades para millennials

A capital portuguesa só é superada por Amesterdão, Berlim e Munique nas melhores cidades para os millennials viverem. Em Lisboa o destaque vai para a comida, a bebida e atividade noturna.

O motor de busca de apartamentos alemão Nestpick fez um estudo para saber quais são as 100 cidades que mais atrai a geração de millennials. Lisboa figura em quarto lugar, apenas superado por Amesterdão, Berlim e Munique. Os critérios foram desde as oportunidades de emprego à velocidade da internet, passando pelos transportes, o ambiente empreendedor, a saúde e a igualdade de género. As melhores pontuações da capital portuguesa foram na bebida, comida, atividade noturna e transportes.

Uma análise às classificações patentes no estudo da Nestpick mostram que Lisboa não se destaca em nenhuma categoria em particular — por comparação com as 100 cidades analisadas –, mas acaba por ter boas pontuações em todos os parâmetros. O lado mau de Lisboa está principalmente nas oportunidades de emprego, além de a conexão à internet não ser a melhor. Analisado o contexto geral, a capital portuguesa acaba por ser um lugar bastante atrativo para os millennials, queiram estes mudar de lugar para viver ou apenas viajar.

O que mais atrai os estrangeiros à cidade das sete colinas é a comida e a bebida, seguidas pelo transporte. Lisboa arranca também boas pontuações quanto ao ambiente empreendedor, à atratividade em termos de turismo e à habitação. Em termos de igualdade, a capital portuguesa também não fica a desejar, principalmente no que toca à integração e tolerância perante os imigrantes.

No topo desta lista está Amesterdão que se destaca pela integração da comunidade LGBT, mas também pelo ambiente empreendedor. A castigar a cidade holandesa estão os preços da habitação e, em menor grau, as oportunidades de emprego, a comida e a bebida.

Seguem-se depois duas cidades alemãs: Berlim e Munique. A capital alemã destaca-se pela igualdade entre géneros, mas essencialmente pela atividade noturna. Já a disponibilidade de contraceção e as oportunidades e emprego são as duas categorias negativas de Berlim. No caso de Munique, as oportunidades de emprego quase não podiam ser melhores, assim como o ambiente empreendedor. O pior da cidade é a falta de oferta cultural, uma internet mais lenta e os preços da habitação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa em 4.º lugar no top das cidades para millennials

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião