Lisboa entre as melhores cidades europeias onde viver

  • ECO
  • 14 Março 2017

Lisboa desceu um lugar em relação ao ano passado, ocupando agora a 43ª posição. Continua acima dos grandes centros cosmopolitas tradicionais, como Nova Iorque ou Madrid.

Apesar de ter descido uma posição em relação ao ano passado, Lisboa continua no top 50 das melhores cidades onde viver, mais propriamente na 43ª posição. A nível das infraestruturas, ocupa a 60ª posição, acima de cidades como Lyon, em França, ou Roma, em Itália. Os dados foram apurados no 19º estudo anual Quality of Living da Mercer.

Viena lidera a tabela das cidades com melhor qualidade de vida pelo oitavo ano consecutivo. Seguem-se-lhe, no Top10, uma esmagadora maioria de cidades europeias: Zurique (2º lugar), Munique (4º lugar), Dusseldorf (6º lugar), Frankfurt (7º lugar), Genebra (8º lugar), Copenhaga (9º lugar), e Basileia, uma estreante na lista, em 10º lugar. As únicas cidades não europeias neste Top10 são Auckland, na Nova Zelândia (3º lugar) e Vancouver, no Canadá (5º lugar). As cidades mais bem classificadas da Ásia e da América Latina são Singapura (25º lugar) e Montevidéu (79º lugar), respetivamente. Bagdade ocupa o fundo da tabela como a cidade com a pior qualidade de vida.

Um dos parâmetros analisados de forma independente foi o das infraestruturas das cidades — no qual Singapura ficou em primeiro lugar e Port-au-Prince em último — e é um item com grande poder na hora de as multinacionais escolherem para onde querem expandir as suas operações e enviar os seus colaboradores expatriados. Uma boa rede de transportes, serviços de energia fiáveis, uma boa rede de água potável, serviços de telecomunicações, o tráfego e congestionamento automóveis e ainda a variedade de voos internacionais a partir dos aeroportos locais são exemplos de fatores importantes no parâmetro das infraestruturas.

“A infraestrutura de uma cidade, ou a falta dela, pode afetar consideravelmente a qualidade de vida que os expatriados e as respetivas famílias usufruem diariamente. O acesso a uma variedade de opções de transporte, o acesso a eletricidade e a água potável estão entre as necessidades essenciais dos colaboradores expatriados que vão trabalhar para uma nova cidade. Uma infraestrutura bem desenvolvida pode ser uma vantagem competitiva importante para as cidades ou municípios que querem atrair empresas multinacionais e investimento estrangeiro”, esclarece Tiago Borges, responsável da área de Career na Mercer Portugal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa entre as melhores cidades europeias onde viver

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião