Brexit: Ministro das Finanças alemão avisa britânicos que “nada é grátis”

  • Lusa
  • 29 Abril 2017

Depois da sua saída da União Europeia, "o Reino Unido não deve ter vantagens que outros países não têm. Nada é grátis", afirmou Wolfgang Schäuble.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, avisou hoje os britânicos que “nada é grátis” ao referir-se à saída do Reino Unido da União Europeia, no momento em que os líderes europeus preparam as negociações para o ‘brexit’.

Depois da sua saída [da União Europeia], o Reino Unido não deve ter vantagens que outros países não têm. Nada é grátis. Isso devem sabê-lo”, disse Schäuble em declarações hoje divulgadas pelos jornais do grupo Funke.

O ministro exigiu ainda a Londres que cumpra as suas obrigações financeira para com a União Europeia: “Não queremos debilitar o Reino Unido, mas também não queremos que o resto da Europa fique debilitado”.

Por outro lado, o responsável das finanças alemão rejeitou que a Alemanha aumente as suas contribuições à União Europeia quando o ‘brexit’ for efetivado.

Aliás, frisou que os meios da União Europeia devem ser utilizados apenas quando fortalecem a Europa como um todo, enquanto os que apenas beneficiam um estado-membro devem ser financiados unicamente por esse país.

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia a 27 reúnem-se hoje em Bruxelas para adotar as orientações para as negociações com Londres em torno da saída do Reino Unido da UE.

Com a presença do negociador-chefe da UE, Michel Barnier, a quem será posteriormente dado um mandato para conduzir as negociações em representação dos “Vinte e Sete”, os líderes europeus, entre os quais o primeiro-ministro António Costa, vão aprovar hoje as posições e os princípios gerais para as negociações que se seguem com Londres, e que deverão ser concluídas no espaço de dois anos, até 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: Ministro das Finanças alemão avisa britânicos que “nada é grátis”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião