Costa deu mais tolerâncias de ponto em ano e meio do que Passos em quatro anos

  • ECO
  • 29 Abril 2017

Em ano e meio de legislatura, António Costa já concedeu seis tolerâncias de ponto. Passos Coelho deu menos em quatro anos de governo.

Além de repor os quatro feriados, o atual Governo já deu seis tolerâncias de ponto em ano e meio de legislatura, mais do que o total concedido por Passos Coelho em quatro anos, avança o Jornal de Negócios.

O Governo decidiu recentemente dar tolerância de ponto no dia 12 de maio, altura em que o Papa Francisco estará em Portugal para as comemorações das aparições em Fátima. Contando com esta decisão, são já seis as tolerâncias de ponto contabilizadas na atual legislatura — 24 e 31 de dezembro de 2015, Carnaval de 2016 e 2017, 26 de dezembro de 2016 e 12 de maio de 2017.

Ao todo, os funcionários públicos ganharam dez dias de descanso adicionais, acima dos quatro dias que também abrangem o setor privado e que resultam da reposição de feriados suspensos por Passos Coelho. O Governo PSD/CDS manteve as tolerâncias de ponto junto ao Natal e ano novo — em 2011 isso não aconteceu porque as datas coincidiram com o fim de semana. Portanto, os funcionários públicos pararam a 24 de dezembro de 2012 e 2013 e também puderam descansar a 31 de dezembro de 2012 e na tarde do último dia de 2013. Em 2014, foi dado o 24 de dezembro e outro dia à escolha entre 26 de dezembro, 31 de dezembro ou 2 de janeiro.

Baseando-se em dados da Direção-Geral do Orçamento, o Negócios explica que o custo aproximado de um dia de paragem na função pública aproxima-se de 30 milhões de euros, o que, no conjunto das tolerâncias de ponto, significa cerca de 180 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa deu mais tolerâncias de ponto em ano e meio do que Passos em quatro anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião