Fisco castiga funcionários que viram rendimentos de Sócrates e Pinho

  • ECO
  • 2 Maio 2017

O fisco abriu 50 inquéritos a funcionários nos últimos três anos a funcionários que consultaram registos fiscais de várias figuras públicas.

A Autoridade Tributária e Aduaneira instaurou 50 processos disciplinares a funcionários que consultaram os registos fiscais de várias entidades públicas, entre as quais o antigo ministro da Economia Manuel Pinho e o ex primeiro-ministro José Sócrates. De acordo com o Público (acesso condicionado), que teve acesso a alguns dos processos disciplinares e aos relatórios internos do fisco relativos aos últimos três anos, neste lote estão ainda incluídas averigações por acessos a dados de Pedro Passos Coelho e Cavaco Silva.

Em relação à maioria desses 50 processos, a Direção de Serviços de Consultoria Jurídica e Contencioso da AT propôs a aplicação de penas de repreensão escrita, suspensas por seis meses ou um ano, mesmo nas situações em que a própria administração fiscal conclui que as informações consultadas não foram divulgadas, nem quebra de sigilo fiscal. Dos 50 inquéritos, 45 deram lugar a repreensões e cinco foram arquivados, avança o jornal diário.

Na origem de quase todos os inquéritos não terão estado alertas gerados pela controversa lista VIP, sistema de alerta que esteve em funcionamento na AT de 29 de setembro de 2014 a 10 de Março de 2015, mas auditorias desencadeadas por causa de investigações jornalísticas. Ou seja, de notícias que saíam nos jornais, em que o fisco abria inquéritos para apurar se os trabalhadores tinham violado o sigilo fiscal e as normas de conduta interna.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco castiga funcionários que viram rendimentos de Sócrates e Pinho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião