Retrato do trabalhador com salário mínimo. São 612,5 mil

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 4 Maio 2017

Governo apresentou aos parceiros sociais o quarto relatório de acompanhamento do aumento do salário mínimo.

Mulher, entre 35 e 44 anos, com ensino básico, a trabalhar numa microempresa. É este o perfil do trabalhador a receber salário mínimo, de acordo com os dados apresentados esta quinta-feira pelo Ministério do Trabalho aos parceiros sociais.

Os dados resultam de um primeiro exercício de caracterização e reportam a outubro de 2016, abrangendo apenas trabalhadores por conta de outrem — que correspondiam a cerca de 85% do total de trabalhadores com salário mínimo na altura.

Desde logo, é possível perceber que são sobretudo as mulheres (58,2%) que recebem remuneração mínima mensal garantida (RMMG), apesar de, no conjunto do emprego, a maioria dos trabalhadores serem do sexo masculino.

Olhando já para o escalão etário, “não são observáveis diferenças muito pronunciadas entre o escalão de remuneração equivalente à RMMG e o total dos trabalhadores com remunerações declaradas, exceto no caso dos trabalhadores jovens (com menos de 25 anos), que se encontram sobre-representados no escalão da RMMG (11,3%) face ao seu peso no total (8,0%)”, diz o relatório.

“Pelo contrário, o peso dos trabalhadores com idades entre os 35 e os 44 anos é mais baixo no escalão da RMMG (27%) do que no total da distribuição (30,9%)”. Ainda assim, é neste escalão que se encontra a maior fatia dos trabalhadores a receber salário mínimo.

Predominam ainda as baixas qualificações. Neste caso, só foram considerados os trabalhadores com habilitações literárias conhecidas, ou seja, três quartos da amostra. Aqui, “71,6% dos trabalhadores abrangidos pela RMMG têm habilitações ao nível do Ensino Básico (muito acima dos 53% observados na distribuição global), e só 3,8% são diplomados (abaixo dos 19,7% observados no total)”.

Por fim, o relatório aponta para uma maior predominância do salário mínimo nas empresas de menor dimensão: mais de dois terços dos trabalhadores com salário mínimo “estão concentrados nas micro (40,6%) e pequenas empresas (26,6%)”. Mas olhando para o total de trabalhadores com remunerações declaradas, apenas “21,2% do emprego está nas microempresas” e “24,9% está nas pequenas empresas”, diz o relatório.

19,5% recebem salário mínimo em dezembro

Em dezembro do ano passado, o salário mínimo (ainda de 530 euros) abrangia 19,5% dos trabalhadores, de acordo com as declarações de remunerações à Segurança Social, que englobam trabalhadores dependentes e membros de órgãos estatutários (como gerentes). Em causa estavam 612,5 mil pessoas, “o que representa uma diminuição de 6,8% face ao pico observado no mês de agosto (657,1 mil)”, avança o documento.

Em 2016, 36% dos 963 mil contratos de trabalho iniciados contavam com uma remuneração base igual ao salário mínimo, “o que representa um aumento de 5,2 p.p. face à proporção observada em 2015 — um aumento idêntico ao observado entre 2014 (25,6%) e 2015 (30,8%)”, acrescenta. O documento indica ainda que terminaram 638 mil contratos naquele ano, mas a informação baseia-se no Fundo de Compensação do Trabalho, que abrange apenas contratos iniciados a partir de outubro de 2013.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Retrato do trabalhador com salário mínimo. São 612,5 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião