Pedro Nuno Santos vai a Bruxelas ‘vender’ a geringonça de Costa

Com a queda dos partidos socialistas na Europa, nomeadamente em França e Holanda, a esquerda europeia aspira por uma nova solução. A ideia de uma 'geringonça' europeia vai a debate esta quarta-feira.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares vai esta quarta-feira a Bruxelas para apresentar a solução governativa implementada em Portugal. Pedro Nuno Santos vai ser o orador principal do debate “A solução governativa de Portugal: uma inspiração para a esquerda europeia?”, co-organizado pela FEPS (Foundation for European Progressive Studies) e Fundação Res Publica.

A abrir o debate estará o ex-ministro da Presidência de José Sócrates, Pedro Silva Pereira, que é atualmente eurodeputado socialista e presidente da Fundação Res Publica. A sessão conta com a apresentação da investigadora Ana Rita Ferreira, professora de ciência política da Universidade da Beira Interior, autora do trabalho “A solução governativa de Portugal: uma quarta via para as políticas sociais-democratas?”.

Depois será a vez de Pedro Nuno Santos dar o seu testemunho do seu papel de elo de ligação entre o Governo, o Partido Socialista, o Bloco de Esquerda, o Partido Comunista Português e o Partido Ecologista ‘Os Verdes’. O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares é a cola desta “experiência histórica”, como classifica o texto introdutório deste debate. “Quase dois anos no poder, a solução governativa de Portugal prova que é possível uma alternativa política na Europa”, descreve o texto do mesmo evento.

Este tipo de solução governativa foi bastante especulada em Espanha, depois das eleições terem, por duas vezes, um resultado inconclusivo. Nesses dois momentos, o Podemos e o PSOE negociaram um possível Governo de coligação, mas não foram bem-sucedidos. O líder do partido de extrema-esquerda que se tornou a terceira força política espanhola, Pablo Iglesias, chegou a estar em Lisboa para apoiar a candidata presidencial Marisa Matias. Nesse momento, Iglesias lamentou que o PSOE não fosse como o PS português.

“Oxalá em Espanha contássemos com um Partido Socialista que demonstrasse algo parecido com aquilo que demonstrou o português”, disse em janeiro do ano passado, referindo que “em Portugal tomaram uma decisão positiva em relação a setores que defendiam continuar entrincheirados com os poderosos”. O próprio Pedro Sánchez, então líder do PSOE, esteve em Lisboa no início de 2016, tendo elogiado a solução governativa portuguesa.

Contudo, a solução não foi avante. Em entrevista ao ECO em fevereiro, o presidente dos socialistas europeus, Gianni Pittella, já tinha admitido que a geringonça não era exportável. “Não é um modelo exportável para fora simplesmente porque cada país tem as suas especificidades e peculiaridades”, explica, referindo que não se pode “reproduzir este modelo em diferentes contextos políticos”.

A ideia subjacente a esta discussão levada a Bruxelas é a possibilidade de haver mais alianças à esquerda, dentro da União Europeia, para que os partidos sejam “parceiros estratégicos contra a austeridade”, quebrando a ideia de ‘bloco central’ governativo até agora vigente. O texto classifica o pacto português como uma “excecional história de progressismo e uma inspiração para o movimento social-democrata”.

O debate andará, por isso, à volta da possibilidade do exemplo português servir de “catalisador” de um bloco europeu à esquerda que construa uma nova agenda política, mas também da possibilidade de se construir pontos de unidade entre uma esquerda mais moderada e uma esquerda mais afastada do centro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Nuno Santos vai a Bruxelas ‘vender’ a geringonça de Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião