Petróleo volta a subir 1% após superar 50 dólares

Cotações do ouro negro continuam em alta pelo segundo dia, beneficiando dos sinais de maior consumo de petróleo nos EUA e ainda do corte de fornecimento árabe à Ásia.

Os preços do petróleo continuam em recuperação, depois terem baixado para mínimos desde o acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em novembro de 2016. O contrato de referência Brent reforça valorização acima dos 50 dólares por barril, depois de queda nos inventários nos EUA e do corte de fornecimentos da Arábia Saudita à Ásia.

Em Londres, o contrato Brent, que serve de referência para as importações nacionais, avança 0,86% para 50,65 dólares, depois do disparo de 3% alcançado na sessão desta quarta-feira. Também em Nova Iorque o crude WTI aprecia 0,89% para 47,74 dólares.

“Assistimos à maior queda dos stocks em um ano na última semana nos EUA. Os inventários caíram em mais de cinco milhões de barris. Parece que o corte da OPEP está finalmente a resultar”, referiu Greg McKenna, estratego da AxiTrader, citado pela Reuters.

A OPEP e outros países produtores incluindo a Rússia decidiram baixar a produção em cerca de 1,8 milhões de barris por dia na primeira metade de 2017 e a maioria dos analistas espera que esta decisão se prolongue pelo menos até final do ano. Isto porque a produção de xisto nos EUA tem contrariado aquilo que era o objetivo do cartel: eliminar o excesso de ouro negro nos mercados e dar algum suporte à cotação do barril.

Foi num cenário de dúvida quanto à eficácia do acordo que os preços voltaram a negociar abaixo dos 50 dólares por barril na última semana. Perante isto, a Arábia Saudita voltou à carga. Notificou várias refinarias asiáticas que vai proceder aos primeiros cortes de fornecimentos desde que o acordo da OPEP entrou em vigor no início do ano. A petrolífera saudita Aramco vai reduzir o seu fornecimento à Ásia em cerca de sete milhões de barris em junho.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Petróleo volta a subir 1% após superar 50 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião