Inédito. Benfica é tetracampeão

Nunca na história do clube encarnado foram conquistados quatro campeonatos nacionais consecutivos. Benfica histórico no 36º título de campeão nacional.

É inédito… para o Benfica. Os encarnados sagraram-se novamente campeões nacionais de futebol em Portugal. Trata-se do quarto título consecutivo para os lados da Luz. Na gíria futebolística, é um tetracampeonato que nunca tinha alcançado pelo emblema da águia nos seus mais de 100 anos de existência.

Como em muitos outros assuntos, as estatísticas no futebol deixam interpretações para todos os gostos — que é como quem diz, cores clubísticas. Mas independentemente disso, o título de campeão da Liga 2016-2017 permite ao Benfica avolumar para 36 o número de vezes que terminou o campeonato no primeiro. E permite alargar distância para os eternos rivais FC Porto (27 campeonatos) e Sporting (18 segundo a contagem oficial, ou 22 segundo a contagem do clube).

O Benfica venceu este sábado o Vitória de Guimarães, com um claro 5-0, num triunfo que precipitou a festa de campeão nacional para os encarnados, já que a margem de oito pontos sobre o segundo classificado não permite qualquer réstia de esperança para os portistas ainda sonharem com o título que lhe foge desde 2013.

Na última jornada, os encarnados deslocam-se ao Norte para defrontar o Boavista, naquele que será o penúltimo jogo da época. O Benfica tem ao seu alcance a dobradinha, isto é, juntar a Taça de Portugal — que a disputará com o Vitória de Guimarães no dia 28 deste mês — ao título de campeão nacional

Quanto aos rivais mais diretos, o FC Porto tem ainda dois jogos pela frente sem que o segundo lugar esteja em perigo. Recebe amanhã o Paços de Ferreira e viaja até Moreira de Cónegos na derradeira jornada.

Sporting, assegurado o terceiro lugar, depois da visita ao campo do Feirense neste sábado, despede-se da liga em sua casa diante do Desportivo de Chaves.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inédito. Benfica é tetracampeão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião