Swaps agravam prejuízos da STCP em 2016

Sociedade de Transportes Coletivos do Porto registou prejuízo de 26,8 milhões de euros no ano passado. Swaps agravaram resultados da transportadora portuense.

A Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) registou um resultado negativo líquido de 26,8 milhões de euros em 2016, prejuízos que são inferiores aos registados em 2015 e que se explicam em parte pelo swap (contrato de gestão de risco financeiro) contratado pela transportadora pública portuense. Sem o efeito do swap, os prejuízos seriam menores, fixando-se nos 17,6 milhões de euros.

De acordo com o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a STCP informa que obteve rendimentos operacionais de 45,1 milhões de euros no ano passado, o que se traduz numa quebra de cerca de 2% face ao ano anterior.

Ainda assim, a queda de 14% dos gastos operacionais para 57,5 milhões de euros permitiu à transportadora melhorar o seu desempenho operacional, cujo saldo ficou nos -12,3 milhões de euros — valor que compara com o resultado operacional de -21,14 milhões de euros em 2015.

Juros com swap atingem os 12 milhões

A STCP detém desde 2007 uma operação de cobertura de risco de taxa de juro, num contrato de swap contratado ao Banco Santander Totta com maturidade em junho de 2022.

Apesar de ter deixado de cumprir as obrigações que decorrem do contrato, na sequência da batalha judicial entre o Estado e o Santander Totta, os encargos do contrato estão refletidos nas contas apresentadas esta segunda-feira.

“A variação do justo valor de swap foi positiva em 4,3 milhões de euros, mas inferior em 1,6 milhões de euros face à variação registada em 2015, enquanto os juros de swap, que atingiram cerca de 12 milhões de euros, aumentaram 2,4 milhões de euros”, diz a STCP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Swaps agravam prejuízos da STCP em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião