Coentrão acusado de fraude fiscal em Espanha

  • ECO
  • 16 Maio 2017

O futebolista português que joga no Real Madrid é acusado de ter usado os paraísos fiscais do Panamá e da Irlanda para defraudar o Fisco espanhol em 1,29 milhões de euros.

Fábio Coentrão está a ser acusado em Espanha por fraude fiscal. O português, que joga no Real Madrid, é acusado de ter usado sociedades sedeadas em paraísos fiscais no Panamá e na Irlanda para defraudar o fisco espanhol em 1,29 milhões de euros, segundo avança o El Confidencial (conteúdo em espanhol e acesso gratuito).

De acordo com a publicação espanhola, Fábio Coentrão terá usado, em 2012, 2013 e 2014, empresas sedeadas nos offshores do Panamá e da Irlanda, para fugir ao Fisco. Entre os acusados está também o jogador colombiano Radamel Falcao, que o Fisco espanhol acusa de ter usado as Ilhas Virgens Britnicas, o Panamá e a Irlanda, para esconder 5,6 milhões de euros, quando jogava no Atlético de Madrid. Ambos terão usado a agência irlandesa do agente Jorge Mendes, a Multisports & Image Management (MIM) Limited, uma empresa de gestão de direitos de imagem, nesse processo.

Fábio Coentrão é acusado de “fraude fiscal qualificada pela Inspeção das Finanças em 352.620,34 euros no ano de 2012, 428,757 euros em 2013 e 510,021 euros para 2014”, diz o texto da acusação citado pelo El Cofidencial. O documento explica ainda que, a 1 de julho de 2011, o lateral português ao serviço do real Madrid terá “subscrito um contrato em que simulava a cessão dos seus direitos de imagem à Rodinn Company, Inc, cujo domicílio se encontra na cidade do Panamá, da República do Panamá”. No mesmo dia, essa sociedade cedeu os seus direitos à “empresa irlandesa Multisports & Image Management Limited”, de Jorge Mendes. Esta operação terá sido feita com o intuito de esconder do fisco espanhol as receitas resultantes dos seus direitos de imagem obtidas durante os três anos considerados, lembrando que nesses períodos Fábio Coentrão “nem sequer apresentou a declaração de titularidade de bens no estrangeiro“, diz a acusação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coentrão acusado de fraude fiscal em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião