A acreditar em Costa basta ficar quieto para eliminar o défice em 2021

  • Margarida Peixoto
  • 16 Maio 2017

O Conselho de Finanças Públicas avisa que o Programa de Estabilidade pressupõe um impacto da economia e das medidas já em vigor que, por si só, bastam para atingir um ligeiro excedente em 2021.

Teodora Cardoso, presidente do Conselho das Finanças Públicas, tem alertado para a necessidade de avaliar melhor os resultados das medidas de consolidação orçamental.Paula Nunes / ECO

De acordo com os números do Programa de Estabilidade, o Governo não precisaria de fazer absolutamente mais nada até 2021, mantendo apenas todas as medidas de política que estão em vigor, para que o défice orçamental passasse a excedente. Só 30% da melhoria do saldo ajustado entre 2017 e 2021 se devem à ação do Executivo. A conclusão é do Conselho de Finanças Públicas (CFP) e foi divulgada esta terça-feira, no parecer sobre o Programa de Estabilidade.

Os peritos do organismo liderado por Teodora Cardoso mostram assim que a dimensão do pacote de ajustamento orçamental planeado pelo Executivo de António Costa até 2021 — no pressuposto de que em 2019 renova a liderança do Governo — é pequena. Isto quer dizer que o ajustamento das contas públicas que está planeado depende sobretudo da evolução da conjuntura económica e da correta avaliação do impacto da continuidade das políticas que já estão em vigor.

De acordo com o documento, apenas esse efeito do cenário de políticas invariantes, na ausência de novas medidas de política seria suficiente para assegurar a eliminação do défice orçamental e atingir um ligeiro excedente em 2021.

Conselho das Finanças Públicas

Análise do Programa de Estabilidade 2017-2021

“A melhoria prevista para o saldo depende crucialmente da evolução macroeconómica e da correta antecipação da dinâmica de evolução das variáveis orçamentais no cenário de políticas invariantes”, escrevem os peritos do CFP. “De acordo com o documento, apenas esse efeito do cenário de políticas invariantes, na ausência de novas medidas de política seria suficiente para assegurar a eliminação do défice orçamental e atingir um ligeiro excedente em 2021, explicando só por si 70% da melhoria do saldo ajustado entre 2017 e 2021”, frisam ainda.

O CFP deixa ainda outro aviso: a parte da correção do défice que depende do esforço adicional do Governo tem por base medidas que não estão bem especificadas. Ou seja: na prática, o que os peritos dizem é que o Executivo de António Costa não só assume que vai aplicar um pacote de consolidação orçamental pequeno, como não explica exatamente quais são as medidas concretas que o compõem.

A falta de especificação das medidas previstas coloca questões de credibilidade quanto ao cumprimento da trajetória do saldo estabelecida no Programa de Estabilidade.

Conselho das Finanças Públicas

Análise do Programa de Estabilidade 2017-2021

“A falta de especificação das medidas previstas coloca questões de credibilidade quanto ao cumprimento da trajetória do saldo estabelecida no Programa de Estabilidade”, defende o relatório. E o CFP quantifica o valor esperado de medidas que não estão detalhadas: o impacto cumulativo “varia entre 359 milhões de euros em 2018 e 1.317 milhões de euros em 2021”. Dois terços deste impacto estão concentrados nos anos de 2018 e 2019.

Mas há um terceiro risco identificado pelo CFP. É que comparando os dois cenários — o cenário base calculado pelo Governo, isto é, aquele que apenas assume o efeito da conjuntura económica e das políticas já no terreno, com o cenário que resulta da aplicação das medidas de consolidação orçamental — as contas não batem certo. Por outras palavras, o que o CFP está a dizer é que quando se pega no cenário base e se lhe somam as medidas de consolidação orçamental, o resultado não corresponde ao que o Governo diz que vai atingir.

E as diferenças, às quais o CFP chama de “outros efeitos” não são assim tão irrelevantes: por exemplo, superam os 200 milhões de euros em 2021. “A magnitude de ‘outros efeitos’ na previsão orçamental do nível da receita e da despesa faz supor a existência de efeitos não identificados e não explicitados”, lê-se no relatório.

A falta de coerência entre os cenários com e sem medidas de consolidação

Planos para o défice não cumprem regras comunitárias este ano

Outro alerta do CFP é que o ajustamento estrutural — que desconta tanto o efeito do ciclo económico, como as medidas extraordinárias — previsto para 2017 não cumpre as regras comunitárias. “O Programa de Estabilidade tem subjacente uma melhoria do saldo estrutural inferior à exigida pela Lei de Enquadramento Orçamental e pelas regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento”, lê-se no relatório.

Se o país sair do Procedimento por Défice Excessivo (PDE), conforme espera o próprio Executivo, passa a estar sujeito ao braço preventivo do Pacto de Estabilidade e Crescimento. Isto quer dizer que fica obrigado a melhorar o saldo estrutural em pelo menos 0,6 pontos percentuais do PIB, até atingir um excedente de 0,25%. Mas as contas do Governo apontam para uma melhoria mais curta: apenas 0,4 pontos percentuais do PIB. A diferença poderá, ainda assim, ser considerada pouco significativa, reconhecem os peritos.

Já a partir de 2018, o ajustamento estrutural planeado acelera, cumprindo os requisitos das regras comunitárias. O objetivo de médio prazo (fixado no tal excedente orçamental de 0,25% do PIB) será atingido em 2021, estima o Ministério das Finanças, um ano mais tarde do que o previsto caso as regras fossem sempre cumpridas.

Mas corte da dívida pública respeita normas de Bruxelas

“A trajetória da dívida pública apresentada no Programa de Estabilidade cumpre os requisitos mínimos de redução da dívida pública aplicáveis a Portugal”, diz o CFP. Os peritos explicam que se Portugal sair do PDE, tem direito a um período transitório de três anos para começar a aplicar a regra de redução da dívida inscrita no Tratado Orçamental. Durante este período, tal como o ECO já explicou, o ajustamento mínimo exigido na dívida é difícil de calcular, mas é menos exigente.

A trajetória da dívida pública apresentada no Programa de Estabilidade cumpre os requisitos mínimos de redução da dívida pública aplicáveis a Portugal.

Conselho das Finanças Públicas

Análise do Programa de Estabilidade 2017-2021

Ora, o CFP fez as contas e concluiu que “o rácio da dívida previsto pelo Ministério das Finanças cumpre o ajustamento mínimo exigido”, assumindo o critério “menos restritivo: o critério retrospetivo.” E mesmo a partir de 2020, quando termina o período transitório, os planos do Governo apontam também para o cumprimento da regra de redução da dívida.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A acreditar em Costa basta ficar quieto para eliminar o défice em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião