PIB cresceu perto de 3%. Mas o ritmo vai continuar?

  • Margarida Peixoto
  • 15 Maio 2017

Os economistas elogiam o crescimento, mas avisam que na segunda metade do ano vai ser mais difícil manter o ritmo. O mesmo quando se olha para 2018.

Na reação aos números, o Ministério das Finanças frisou que este é o “maior crescimento do século” e defendeu que é “sustentável” e equilibrado.Paula Nunes / ECO

Os números do primeiro trimestre do PIB português são inegavelmente positivos: a economia cresceu 2,8% — um ritmo que só compara com o último trimestre de 2007, mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística. O valor surpreendeu os analistas pela positiva: superou todas as estimativas. Mas — e este é um mas importante — este ritmo é para continuar?

Apesar de, com apenas a estimativa preliminar de um trimestre, os economistas estarem a rever em alta as suas projeções para o conjunto de 2017, ainda não é garantido que a dinâmica de crescimento que se verifica agora seja sustentável. Sem querer tirar mérito ao crescimento alcançado, recomenda-se cautela. Há pelo menos quatro motivos para moderar o otimismo — ou, nas palavras do Presidente da República, para evitar embandeirar em arco.

1 – Atenção ao detalhe

A estimativa do INE ainda é preliminar. Isto quer dizer que a informação sobre os primeiros três meses não está completamente apurada e que, por isso, o detalhe dos componentes do PIB, e do que justificou a sua subida, ainda não é conhecido.

Na nota de análise sobre os números revelados hoje pelo INE, o Banco BPI sublinha um dado importante: em parte, o crescimento muito expressivo das exportações explica-se por um feito na base de comparação. “As exportações aumentaram mais do que as importações, com a comparação das exportações de combustíveis e dos carregamentos para Angola a beneficiarem de efeitos temporários negativos nos primeiros três meses de 2016″, lê-se na análise de José Miguel Cerdeira.

Os dados disponíveis para as exportações de bens mostram um aumento homólogo de 48,3% nas vendas para o mercado angolano, no primeiro trimestre deste ano, sublinha a mesma nota. Este efeito poderá dissipar-se nos próximos trimestres, e ainda não é claro qual será o impacto para o valor do crescimento.

2 – A conjuntura internacional tem de ajudar

Para que o crescimento continue a bom ritmo, é essencial que a conjuntura internacional continue a ajudar. “O país está a reagir favoravelmente a uma espécie de bonança perfeita”, diz Filipe Garcia, economista do IMF – Instituto de Mercados Financeiros, ao ECO.

"O país está a reagir favoravelmente a uma espécie de bonança perfeita. (…) Para crescer a este ritmo, precisamos sempre do contexto externo favorável.”

Filipe Garcia

IMF - Informação de Mercados Financeiros

Da mesma forma que as crises económicas em Portugal são em parte resultado de maus resultados a nível internacional, agora Portugal também está a beneficiar da melhoria da conjuntura. A política monetária do Banco Central Europeu (BCE) está extraordinariamente expansionista, o que diminui em grande medida o risco-país. Os parceiros europeus estão a recuperar e o preço do petróleo e o valor do euro continuam baixos.

“Para crescer a este ritmo, precisamos sempre do contexto externo favorável”, reforça Filipe Garcia. “Mantendo-se os ventos favoráveis, concordo que seja possível crescer acima de 2% no conjunto do ano”, adianta, indo ao encontro das estimativas do BPI e de outros gabinetes de estudos, como é o caso do Católica Lisbon Forecasting Lab, conforme noticiou a Lusa.

3 – Crescer no segundo semestre vai ser mais difícil

Há que ter sempre em conta que as taxas de crescimento dependem muito do momento com que se está a comparar. Ou seja: no primeiro trimestre deste ano é relativamente fácil atingir números de crescimento mais expressivos, porque o primeiro trimestre de 2016, período com o qual estamos a comparar, foi fraco. O mesmo vai acontecer no segundo trimestre de 2017, que ainda compara com um três meses fracos de 2016.

Mas entrando na segunda metade do ano, vai ser mais difícil continuar a crescer a bom ritmo. Os dois últimos trimestres de 2016 já foram mais fortes, o que significa que será preciso crescer mais em termos trimestrais para que a comparação homóloga saia igualmente expressiva.

O desenho do gráfico torna esta observação bastante óbvia.

Fonte: INE

4 – Sustentabilidade ainda não está garantida

“É de esperar um abrandamento do crescimento em 2018, porque ainda não há motivos que sustentem este ritmo de crescimento”, diz um economista de uma instituição financeira contactado pelo ECO, que preferiu não ser identificado. Esta análise vai ao encontro do que defende Rui Serra, economista-chefe do Montepio, em declarações à Lusa: tanto em termos homólogos, como em cadeia, estes níveis de crescimento “não se deverão repetir no resto do ano” por se tratar de valores “bem acima do atual crescimento potencial da economia”.

É precisamente esta também a avaliação das principais instituições internacionais. Tanto o Banco de Portugal, como o FMI ou a Comissão Europeia antecipam um abrandamento do ritmo de crescimento da economia portuguesa em 2018.

Fonte: CFP, Comissão Europeia, BdP, FMI

“Muitos dos assuntos sérios da Europa estão a ser colocados na prateleira até às eleições alemãs. Um desses assuntos é a alteração da política monetária, que deverá passar a ser menos expansionista”, acrescenta Filipe Garcia. Ora, um dos motivos pelos quais Portugal está agora a crescer bem é, precisamente, a ajuda da política do BCE. Esgotando-se, será mais difícil manter o ritmo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

PIB cresceu perto de 3%. Mas o ritmo vai continuar?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião