BPI já aponta para crescimento anual acima de 2%

  • Margarida Peixoto
  • 15 Maio 2017

O banco BPI reviu em alta as suas projeções de crescimento para o conjunto de 2017. Os analistas do banco esperam que a economia cresça mais de 2%.

Com o crescimento do PIB registado no primeiro trimestre deste ano — o INE revelou esta segunda-feira que o aumento foi de 2,8% — o banco BPI já reviu em alta as projeções para o conjunto de 2017. Os analistas apontam para um crescimento acima de 2%, mais elevado do que a meta do Governo.

“A estimativa preliminar aponta para um crescimento homólogo de 2,8% no primeiro trimestre de 2017, o ritmo de expansão mais elevado desde o último trimestre de 2007”, constata o analista do BPI José Miguel Cerdeira, numa nota de análise publicada esta segunda-feira. “Isto deve melhorar as projeções para 2017 — esperamos um aumento acima de 2% para o conjunto do ano”, adianta o economista.

"Isto deve melhorar as projeções para 2017 — esperamos um aumento acima de 2% para o conjunto do ano.”

José Miguel Cerdeira

Economista do BPI

Na nota de análise, o BPI sublinha que o crescimento dos primeiros três meses deste ano foi suportado por um aumento mais acentuado das exportações do que o das importações, bem como pela “tão esperada retoma do investimento”. Os especialistas consideram ainda que o abrandamento do consumo privado foi até “saudável” e apontam para a possibilidade de alguma recuperação da taxa de poupança, que está em níveis muito baixos.

Sobre o crescimento das exportações, os analistas do BPI avisam, porém, que está a beneficiar de efeitos negativos temporários, sentidos no primeiro trimestre de 2016, nomeadamente para Angola.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI já aponta para crescimento anual acima de 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião