Maria Luís: Banco de Portugal devia ter vendido Novo Banco em 2015

O regulador considerou que as propostas apresentadas pelo Novo Banco em 2015 não eram satisfatórias, mas a antiga ministra considera que era preferível aceitá-las do que adiar o processo de venda.

Maria Luís de Albuquerque lamenta que o Banco de Portugal tenha decidido não avançar com o primeiro processo de venda do Novo Banco, em 2015, ainda que o regulador tenha justificado que as condições oferecidas não eram satisfatórias e acarretavam fatores de incerteza. Para a antiga ministra das Finanças, que reconhece não ter tido acesso às propostas apresentadas em 2015, as condições pouco satisfatórias teriam sido preferíveis a um adiamento da venda.

“Nunca vi essas propostas que entraram em 2015. A autoridade de resolução [no caso, o Banco de Portugal] informou-me de que as propostas apresentadas não cumpriam as condições estabelecidas e que, portanto, não entrou em fases de negociação mais aprofundadas com nenhuma das entidades que apresentaram propostas”, começou por reconhecer Maria Luís Albuquerque, durante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA), que decorre esta tarde, em resposta à deputada Mariana Mortágua.

Mais tarde, já em resposta à deputada Cecília Meireles, voltou a falar sobre esse processo de venda. “Lamentei que o Banco de Portugal tenha entendido que não havia condições para prosseguir esse processo e disse que a minha opinião era que se deveria ter prosseguido e vendido naquela altura. Porque a experiência que temos é que, quando se espera para vender, há perdas”, afirmou. “Lamento que o Novo Banco não tenha sido vendido em 2015, o que não significa que não respeite a decisão“, ressalvou. “Ou se respeita a independência ou não se respeita a independência das instituições, e isso é algo que nosso Governo sempre teve como muito caro”, sublinhou.

Estas propostas a que Maria Luís de Albuquerque diz nunca ter tido acesso também nunca foram tornadas públicas. A 15 de setembro de 2015, o Banco de Portugal decidiu interromper o processo de venda da participação do Fundo de Resolução no Novo Banco sem aceitar qualquer das três propostas vinculativas que tinham sido apresentadas. “Os termos e as condições das três propostas vinculativas não são satisfatórios” e “o processo foi condicionado por importantes fatores de incerteza”, justificou então o Banco de Portugal.

Na altura, vários meios de comunicação escreveram que o grupo chinês Anbang, que tinha apresentado a melhor proposta e chegou a estar em negociações exclusivas para comprar o Novo Banco, oferecia cerca de quatro mil milhões de euros (não sendo ainda claro se a proposta envolvia garantias púbicas). O preço era o critério mais importante e o oferecido pela Anbang era o mais elevado, mas as condições impostas por este grupo, ainda desconhecidas, levaram a que o Banco de Portugal rejeitasse a oferta.

Sobre o atual processo de venda, que levou à venda de 75% do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star, a antiga ministra levanta dúvidas sobre a operação voluntária com os obrigacionistas, condição necessária para que a venda seja fechada. “Estranho que esse processo ainda esteja atrasado e receio que isso possa ser sinal de algum problema que não venha a ser resolvido. Esse processo devia ter sido prioridade absoluta de quem está a vender o banco”, salientou.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Maria Luís: Banco de Portugal devia ter vendido Novo Banco em 2015

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião