Fundo de Resolução: “Vamos seguramente vender o Novo Banco”

  • Rita Atalaia
  • 11 Maio 2017

O presidente do Fundo de Resolução está confiante na venda do banco de transição. Máximo dos Santos defende que serão criadas as condições para que o negócio se concretize.

O presidente da comissão diretiva do Fundo de Resolução está seguro de que o Novo Banco será vendido ao fundo norte-americano Lone Star. Máximo dos Santos garante que serão reunidas as condições para que esta venda aconteça. Um processo que está dependente da troca de 500 milhões de euros de obrigações seniores.

“Chegados aqui, diria que seguramente vamos conseguir vender o Novo Banco”. Esta garantia foi deixada pelo presidente do Fundo de Resolução na comissão de Orçamento e Finanças sobre o Banco Espírito Santo/Novo Banco quando questionado pelos deputados sobre um plano B, caso a troca de obrigações seniores não seja bem-sucedida.

O processo de venda do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star está dependente desta operação. Assim como o ECO avançou, os obrigacionistas seniores serão convidados a trocar ‘voluntariamente’ estes títulos por outros, numa operação cujos contornos ainda estão por conhecer. E o que sucede se não aceitarem? Haverá um plano b, claro, um ‘bail in’ forçado e obrigatório que corresponderá, na prática, a uma nova resolução, desta vez do Novo Banco.

Mas Máximo dos Santos não dá mais detalhes sobre esta operação. O responsável refere apenas que ainda não foram feitos contactos com obrigacionistas. Um contacto que cabe à autoridade nacional de resolução, esclarece.

O presidente do Fundo de Resolução afirma que é do interesse dos obrigacionistas, dos credores e do Estado que o banco seja vendido. “Todos queremos que o banco siga o seu percurso, mantendo a unidade e fazendo cessar o estatuto de banco de transição”, esclarece o responsável pelo fundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo de Resolução: “Vamos seguramente vender o Novo Banco”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião