Horta Osório é um dos primeiros 200 nomes do cartaz do Web Summit

Português e CEO do Lloyds Banking Group volta a Lisboa como orador do maior evento de tecnologia e empreendedorismo, que decorre de 6 a 9 de novembro.

O CEO do Lloyds António Horta Osório, a comissária europeia para a Concorrência Margrethe Vestager e a CEO da Booking.com Gillian Tans são três nomes dos 200 de peso anunciados esta segunda-feira pelo Web Summit, e que farão parte do cartaz da maior conferência de tecnologia e empreendedorismo do mundo, que se realiza em Lisboa entre 6 e 9 de novembro.

Os primeiros 200 nomes de um total de 1000 para a edição de 2017 foram anunciados esta tarde, na sede da organização na capital portuguesa. Mais uma vez, o evento junta nomes ligados à política, ao desporto e à indústria tecnológica.

“Queremos trazer para a conferência grandes empresas tecnológicas que possam falar sobre o futuro no setor”, disse Eleanor McGrath, responsável de comunicação do Web Summit, na conferência de imprensa, em Lisboa.

“Mais nomes serão anunciados nos próximos meses, sendo que alguns dos grandes CEOs da tecnologia e titãs do mundo empresarial irão estar nos nossos palcos. Lançámos, no ano passado e pela primeira vez, o Forum como um local para discutir o futuro da tecnologia e a forma como está a mudar o mundo. É com entusiasmo que vemos o potencial que o Forum tem este ano de se assumir como o local que une este grupo de figuras proeminentes para discutir os vários desafios que nos afetam diariamente”, explica Paddy Cosgrave, CEO do Web Summit, citado em comunicado.

Entre os nomes estão ainda Brian Krzanich, CEO da Intel, a maior tecnológica a nível mundial, Dara Khosrowshahi, CEO da Expedia, e Jean-Bernard Lévy, Chairman & CEO da EDFA EDF Energy, é o maior fornecedor de energia a nível europeu e tem vindo a realizar esforços relevantes para alterar a mentalidade do setor.

Veja todos os nomes anunciados aqui.

Pela primeira vez, o Web Summit terá 18 palcos e vai usar, além da FIL, a zona da marina do Parque das Nações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Horta Osório é um dos primeiros 200 nomes do cartaz do Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião