Repsol é a primeira grande petrolífera a vender obrigações verdes

  • ECO
  • 22 Maio 2017

Petrolífera espanhola será a primeira grande companhia do setor a vender obrigações verdes mas a operação está longe de convencer o mercado de que se trata de um financiamento amigo do ambiente.

A Repsol está prestes a concluir um financiamento de 500 milhões de euros em obrigações verdes a cinco anos. Será a primeira grande petrolífera mundial a emitir dívida amiga do ambiente, mas o mercado não está totalmente convencido.

A petrolífera espanhola vai usar este financiamento para cortar nas emissões de gases do efeito de estufa e tornar os seus edifícios energeticamente mais eficientes e sustentáveis. Mas “isto é fundamentalmente dúbio”, referiu Sean Kidney, fundador da Climate Bonds Initiative, uma organização que ajuda a desenhar os standards do que é uma obrigação verde. “Neste momento, é pouco provável a inclusão na nossa lista de obrigações verdes e nos nossos índices de obrigações verdes”, acrescentou o responsável à Bloomberg.

O mercado de obrigações verdes tem pouco mais do que uma década. No último ano, foram levantados 95 mil milhões de dólares neste tipo de financiamento para projetos que protejam o meio ambiente. Este montante deverá subir para os 123 mil milhões este ano.

Não havendo propriamente um regulador que determine o que é uma obrigação verde, cabe aos investidores e consultores como a Climate Bonds Initiative essa avaliação.

De acordo com a Repsol, este financiamento irá sobretudo ajudar a melhorar o desempenho de caldeiras, fornos, equipamentos térmicos e sistemas de controlo de oxigénio nas suas refinarias localizadas em Espanha e Portugal.

“Vai ajudar a evitar a emissão de 1,9 milhões de toneladas de gás de efeito de estufa a um ritmo anual até 2020”, segundo a avaliação da Vigeo Eiris, uma agência de rating ambiental, contratada pela Repsol. É o equivalente àquilo que 400 mil carros produzem.

A Repsol garante que projetos relacionados com a exploração de novas reservas de petróleo e gás estão excluídos deste financiamento, tendo auditores externos que asseguram que as obrigações verdes vão financiar apenas projetos mais qualificados.

Apesar das dúvidas dos analistas, a empresa espanhol registou forte interesse por esta emissão, tendo observado dois mil milhões de euros em ordens de compra só na primeira hora, segundo o BBVA.

Antes da Repsol, uma pequena petrolífera tailandesa, a Bangchak Petroleum, já havia levantado 95 milhões de dólares em dívida verde há dois anos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Repsol é a primeira grande petrolífera a vender obrigações verdes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião