Desemprego: Corte de 10% nos subsídios mínimos cai em junho

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 23 Maio 2017

De acordo com António Costa, o corte será parcialmente revertido a partir de 1 de junho, garantindo que ninguém fica "abaixo do limiar do indicador de apoio social".

O travão ao corte de 10% no subsídio de desemprego para quem tem prestações de valor mais reduzido chega ao terreno no dia 1 de junho, anunciou esta terça-feira o Primeiro-Ministro no Parlamento.

Em causa está uma medida aprovada pelo Executivo de Passos Coelho, que avançou em abril de 2012. Entre outras mudanças, ficou então definido que as prestações iniciadas a partir daquela altura teriam um corte de 10% ao fim de seis meses de atribuição. A redução abrangia todos os subsídios, incluindo os de montante mínimo — em regra, o equivalente ao Indexante dos Apoios Sociais (IAS), ou 421,32 euros em 2017 — que acabavam por ser empurrados para um patamar inferior a este limiar. A medida já originou vários reparos do Provedor de Justiça.

Já este ano, Bloco de Esquerda e PCP defenderam a eliminação total do corte mas os socialistas preferem deixar o debate para mais tarde. Para já, o que fica garantido é que o corte de 10% não pode atirar o subsídio do desemprego para um valor abaixo do IAS. A norma foi aprovada em Conselho de Ministros em abril. De acordo com António Costa, a redução será então parcialmente revertida em junho.

“Vamos já a partir do próximo dia 1 de junho reverter parcialmente esse corte do subsídio de desemprego, com a introdução de uma norma travão para que esse corte nunca coloque ninguém abaixo do limiar do indicador de apoio social”, afirmou no debate quinzenal. Porém, o ECO sabe que o diploma ainda aguarda promulgação por parte do Presidente da República.

O corte de 10% abrange apenas os subsídios de cariz contributivo, deixando de fora os apoios sociais que são atribuídos a desempregados inseridos em famílias de rendimentos reduzidos que já esgotaram o subsídio “principal” ou que não trabalharam tempo suficiente para aceder à prestação.

(notícia atualizada às 17h40)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego: Corte de 10% nos subsídios mínimos cai em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião