Portugal capta maior valor de investimento direto estrangeiro dos últimos 20 anos

  • Lusa
  • 23 Maio 2017

Alemanha e Espanha foram os principais investidores em Portugal em 2016, segundo dados divulgados pelo Inquérito à Atratividade de Portugal 2017, realizado pela EY.

Portugal conseguiu captar o maior valor de investimento direto estrangeiro dos últimos 20 anos, segundo dados esta terça-feira divulgados pelo Inquérito à Atratividade de Portugal 2017, realizado pela EY.

No total, segundo o estudo, Portugal conseguiu captar em 2016 o número recorde de 59 investimentos, no entanto, devido à dimensão ou natureza dos mesmos, o número de postos de trabalho criados diminuiu de 3,5 mil para 2,5 mil, em comparação com 2015.

“A criação de emprego é claramente afetada por uma redução do número médio de empregos criados por projeto, sendo inferior quer à média pré-crise quer ao ano anterior”, sinalizam os autores do estudo.

"A criação de emprego é claramente afetada por uma redução do número médio de empregos criados por projeto, sendo inferior quer à média pré-crise quer ao ano anterior.”

Estudo da EY

A Alemanha e Espanha foram os principais investidores em Portugal em 2016, com 14 e 10 investimentos respetivamente, enquanto a França liderou a criação de emprego, com 900 novos postos de trabalho e foi o quarto em número de projetos, com oito novos projetos de investimento.

Os EUA e o Japão estão também entre as principais fontes de investimento direto estrangeiro no país para o ano 2016, “o que ilustra o alcance geográfico e o potencial logístico do país”, acrescentam.

O investimento alemão, criando um total de 265 postos de trabalho, foi maioritariamente ligado a atividades transformadoras.

O estudo destaca ainda o grande otimismo de 62% dos investidores estrangeiros quanto ao futuro de Portugal e a vontade de 32% dos investidores de aumentarem o investimento no nosso país durante o próximo ano.

As áreas de I&D (Investigação e Desenvolvimento) e logística destacam-se como setores com maior número de intenções de investimento, enquanto a indústria, marketing e vendas mantêm uma grande representatividade.

De acordo com o inquérito da EY, Portugal está assim “no radar dos investidores, registando intenções de investimento acima da média europeia e prevendo-se um aumento da atratividade do país”.

"[Portugal está assim] no radar dos investidores, registando intenções de investimento acima da média europeia e prevendo-se um aumento da atratividade do país.”

Estudo da EY

Entre os fatores considerados mais atrativos pelos investidores estrangeiros, o estudo aponta para a estabilidade do clima social, o potencial de aumento de produtividade e os custos laborais.

Do outro lado da balança, entre os fatores considerados menos atrativos pelos investidores destaque para a tributação às empresas, estabilidade e transparência do ambiente político, jurídico e regulamentar e a flexibilidade da legislação laboral.

A EY refere ainda que é dado um maior destaque aos setores de bens de consumo, imobiliário, construção e indústria de transportes e automóvel por parte dos investidores não estabelecidos em Portugal e que os setores das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) e do turismo são vistos pelos investidores como motores de desenvolvimento do país.

A região de Lisboa é vista como a mais atrativa de Portugal mas o Porto aparece como o destino com maior número de novos investimentos e criação de postos de trabalho.

O EY Attractiveness Survey é um estudo promovido pela EY, a nível europeu, com o objetivo de avaliar a perceção dos investidores estrangeiros quanto à atratividade das diversas localizações.

Nesta edição, foram inquiridas empresas que já investiram ou que têm potencial para investimento futuro no território em análise e que se encontram espalhados por 20 países e em cinco línguas diferentes (alemão, inglês, português, espanhol e francês).

Durante o mês de abril de 2017, foram realizadas 203 entrevistas telefónicas a investidores internacionais, com a preocupação de dividir a amostra entre empresas que já estão presentes em Portugal e outras que ainda não têm operações neste país.

Segundo a EY, 62% das empresas inquiridas no estudo estão presentes em Portugal, num total de 126 entrevistados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal capta maior valor de investimento direto estrangeiro dos últimos 20 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião