Menos investimento que em Portugal só na Grécia e Porto Rico

O FMI fez a compilação dos países desenvolvidos onde há mais investimento, público e privado, e Portugal não sai bem na fotografia. Algo que não está a passar despercebido no Parlamento.

Entre as economias desenvolvidas, o nível de investimento de 2016 em Portugal, em percentagem do PIB, foi apenas superior ao da Grécia e do Porto Rico. Na Irlanda, Noruega e Coreia do Sul o investimento público e privado chega quase aos 30% do PIB. Em Portugal a percentagem é metade, tendo diminuído de 15,4% em 2015 para 14,8% em 2016, o mesmo nível de 2013. Só Porto Rico e Grécia — 8,2% e 9,8%, respetivamente — é que tiveram menos investimento no ano passado. Estes dados constam da base de dados do Fundo Monetário Internacional, que foi atualizada com as informações do Fiscal Monitor e do World Economic Outlook.

Investimento total, em percentagem do PIB, na Zona Euro

Investimento em percentagem do PIB.

Já muita tinta correu sobre a queda do investimento público em Portugal no ano passado: das críticas do FMI e de um colunista da Bloomberg até à constatação do Conselho de Finanças Públicas de que este tinha sido o nível de investimento público, em percentagem do PIB, mais baixo desde 1995. Contudo, também a totalidade do investimento (público e privado) realizado em território nacional diminuiu, tendo regressado aos 14,8% do PIB que se verificou em 2013, numa altura em que o país ainda estava a executar o Programa de Ajustamento.

Também no Parlamento o tema é quente e não passa despercebido. No debate quinzenal desta quarta-feira, o líder da oposição Pedro Passos Coelho confrontou o primeiro-ministro com aquilo que disse ser um corte no investimento público usado como “variável de ajustamento económico”. António Costa justificou essa quebra com “um problema grave de transição de quadros comunitários, que fez com que o investimento tivesse sofrido uma redução significativa”, mas assinalou ainda que no arranque deste ano o investimento público já aumentou 21% “relativamente ao do ano transato”.

E António Costa não se ficou por aqui, sublinhando ainda mudanças positivas no investimento privado. A melhoria do clima económico, afirmou, levou a uma consolidação do investimento privado em 2016 que “resultou em criação de emprego”. Na Assembleia da República, o primeiro-ministro tirou os números da manga: “Para este ano temos a melhor estimativa de investimento privado dos últimos nove anos“, disse, citando o INE, e dando exemplos concretos — 15% de aumento no investimento em máquinas, 6% de aumento no investimento em construção, ambos relativamente ao primeiro trimestre de 2017 e em termos homólogos.

Apesar dos valores que mostram uma queda do investimento (público e privado) é preciso ressalvar que, em volume, o investimento ficou praticamente inalterado. Depois de uma recuperação gradual até aos 27.417 milhões em 2015, o investimento total fixou-se nos 27.400 milhões em 2016. Apesar da descida, em volume, ter sido de apenas 17 milhões, como o Produto Interno Bruto cresceu 1,4%, o investimento em percentagem do PIB desceu dos 15,3% para os 14,8%.

Uma análise à série apresentada pelo FMI revela que, exceto 2013, o investimento total em Portugal, em percentagem do PIB, em 2016, foi o menor desde 1980.

Em comparação com os países da Zona Euro, Portugal é o segundo pior, ainda que esteja longe do país com menor nível de investimento. Chama-se Grécia e em 2016 teve um investimento de 9,8%, o mesmo que já tinha registado em 2015. No outro lado da tabela está a Irlanda com 28,8% de investimento em percentagem do PIB, seguido pela Estónia (23,8%), Áustria (23,7%), Malta (22,9%) e Bélgica (22,4%).

Há um ano, também o Chipre tinha um nível de investimento menor do que o português, mas houve uma inversão em 2016. Em Portugal o investimento, em percentagem do PIB, contraiu e no Chipre aumentou passando de 13,9% em 2015 para 15,5% em 2016. Perto destes números estão países como a Lituânia (15,8%), Itália (17%), Alemanha (19,1%) e a Eslovénia (19,6%).

Entre aquelas que são consideradas economias avançadas pelo FMI, à Grécia apenas se acrescenta o Porto Rico que registou 8,2% de investimento em 2016. Pela positiva destacam-se a Irlanda (28,8%), Noruega (29%) e Coreia do Sul (29,2%).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Menos investimento que em Portugal só na Grécia e Porto Rico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião