Menos investimento que em Portugal só na Grécia e Porto Rico

O FMI fez a compilação dos países desenvolvidos onde há mais investimento, público e privado, e Portugal não sai bem na fotografia. Algo que não está a passar despercebido no Parlamento.

Entre as economias desenvolvidas, o nível de investimento de 2016 em Portugal, em percentagem do PIB, foi apenas superior ao da Grécia e do Porto Rico. Na Irlanda, Noruega e Coreia do Sul o investimento público e privado chega quase aos 30% do PIB. Em Portugal a percentagem é metade, tendo diminuído de 15,4% em 2015 para 14,8% em 2016, o mesmo nível de 2013. Só Porto Rico e Grécia — 8,2% e 9,8%, respetivamente — é que tiveram menos investimento no ano passado. Estes dados constam da base de dados do Fundo Monetário Internacional, que foi atualizada com as informações do Fiscal Monitor e do World Economic Outlook.

Investimento total, em percentagem do PIB, na Zona Euro

Investimento em percentagem do PIB.

Já muita tinta correu sobre a queda do investimento público em Portugal no ano passado: das críticas do FMI e de um colunista da Bloomberg até à constatação do Conselho de Finanças Públicas de que este tinha sido o nível de investimento público, em percentagem do PIB, mais baixo desde 1995. Contudo, também a totalidade do investimento (público e privado) realizado em território nacional diminuiu, tendo regressado aos 14,8% do PIB que se verificou em 2013, numa altura em que o país ainda estava a executar o Programa de Ajustamento.

Também no Parlamento o tema é quente e não passa despercebido. No debate quinzenal desta quarta-feira, o líder da oposição Pedro Passos Coelho confrontou o primeiro-ministro com aquilo que disse ser um corte no investimento público usado como “variável de ajustamento económico”. António Costa justificou essa quebra com “um problema grave de transição de quadros comunitários, que fez com que o investimento tivesse sofrido uma redução significativa”, mas assinalou ainda que no arranque deste ano o investimento público já aumentou 21% “relativamente ao do ano transato”.

E António Costa não se ficou por aqui, sublinhando ainda mudanças positivas no investimento privado. A melhoria do clima económico, afirmou, levou a uma consolidação do investimento privado em 2016 que “resultou em criação de emprego”. Na Assembleia da República, o primeiro-ministro tirou os números da manga: “Para este ano temos a melhor estimativa de investimento privado dos últimos nove anos“, disse, citando o INE, e dando exemplos concretos — 15% de aumento no investimento em máquinas, 6% de aumento no investimento em construção, ambos relativamente ao primeiro trimestre de 2017 e em termos homólogos.

Apesar dos valores que mostram uma queda do investimento (público e privado) é preciso ressalvar que, em volume, o investimento ficou praticamente inalterado. Depois de uma recuperação gradual até aos 27.417 milhões em 2015, o investimento total fixou-se nos 27.400 milhões em 2016. Apesar da descida, em volume, ter sido de apenas 17 milhões, como o Produto Interno Bruto cresceu 1,4%, o investimento em percentagem do PIB desceu dos 15,3% para os 14,8%.

Uma análise à série apresentada pelo FMI revela que, exceto 2013, o investimento total em Portugal, em percentagem do PIB, em 2016, foi o menor desde 1980.

Em comparação com os países da Zona Euro, Portugal é o segundo pior, ainda que esteja longe do país com menor nível de investimento. Chama-se Grécia e em 2016 teve um investimento de 9,8%, o mesmo que já tinha registado em 2015. No outro lado da tabela está a Irlanda com 28,8% de investimento em percentagem do PIB, seguido pela Estónia (23,8%), Áustria (23,7%), Malta (22,9%) e Bélgica (22,4%).

Há um ano, também o Chipre tinha um nível de investimento menor do que o português, mas houve uma inversão em 2016. Em Portugal o investimento, em percentagem do PIB, contraiu e no Chipre aumentou passando de 13,9% em 2015 para 15,5% em 2016. Perto destes números estão países como a Lituânia (15,8%), Itália (17%), Alemanha (19,1%) e a Eslovénia (19,6%).

Entre aquelas que são consideradas economias avançadas pelo FMI, à Grécia apenas se acrescenta o Porto Rico que registou 8,2% de investimento em 2016. Pela positiva destacam-se a Irlanda (28,8%), Noruega (29%) e Coreia do Sul (29,2%).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Menos investimento que em Portugal só na Grécia e Porto Rico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião