Moody’s: saída do PDE é “positiva” para o rating. É desta?

A primeira nota depois do PDE mostra otimismo com Portugal a curto prazo, mas deixa avisos. A próxima revisão do rating da dívida portuguesa feita pela Moody's está prevista para 1 de setembro.

Na primeira reação à provável saída de Portugal do Procedimento por Défices Excessivos (PDE), a agência de rating considera que essa decisão é “positiva” para o rating da dívida portuguesa. Contudo, a Moody’s tem dúvidas sobre a manutenção da estratégia orçamental de contenção da despesa pública, apesar de concordar com a perspetiva da Comissão Europeia de que o país continuará com um défice inferior a 3%. Os juros da dívida devem continuar a baixar, mas a redução do programa de compras do BCE prevista para o final do ano pode comprometer essa trajetória. A próxima decisão da Moody’s relativa a Portugal está prevista para 1 de setembro. 

Ainda não é uma decisão, mas é um sinal de que Portugal está no caminho certo. Apesar de deixar bastantes dúvidas e avisos, a Moody’s realça a recomendação da Comissão Europeia para retirar Portugal do PDE é uma boa notícia. No primeiro comentário à situação portuguesa depois desse anúncio, a agência de rating escreve que o Governo português terá ainda mais restrições orçamentais ao passar para o braço preventivo do Pacto de Estabilidade e Crescimento. Em causa estão duas metas: um excedente orçamental estrutural de 0,25% do PIB e a aceleração do peso da dívida pública, que atualmente supera os 130%.

Do lado da consolidação orçamental, ainda que a agência confie que o défice ficará abaixo dos 3%, há um alerta: “A melhoria orçamental nos próximos dois anos depende fortemente em receitas de one-offs [não recorrentes] e no congelamento dos gastos em bens e serviços, o que provavelmente será difícil de sustentar a longo prazo“. Do lado da dívida, a Moody’s confia que a dívida vai diminuir mas a um passo muito mais lento do que previsto pelo Governo, atingindo os 125% do PIB em 2020. Em aberto fica uma melhoria do rating de Portugal, algo que a agência não considera neste comentário.

A Moody’s atribui atualmente uma notação financeira de Ba1, um nível considerado de “lixo”, com perspetivas estáveis. Na nota que lançou na semana passada, a agência de rating sinalizava que o rating poderia melhorar caso houvesse indicações de que o Governo está comprometido com a consolidação fiscal e a redução da dívida. O foco da Moody’s está no risco da sustentabilidade da dívida pública, uma debilidade que também o Banco Central Europeu apontou esta quarta-feira num relatório sobre a estabilidade financeira.

Contudo, a Moody’s assinala que a recomendação da Comissão Europeia vai ajudar a fortalecer a confiança dos investidores e a manter as condições de financiamento de Portugal “favoráveis”. Além disso, a redução dos juros da dívida também é fruto das menores preocupações dos investidores com as eleições europeias. Contudo, a Moody’s alerta também que os desafios mantêm-se dado que ainda não se sabe exatamente quando é que o Banco Central Europeu vai terminar o programa de compras e a forma como irá fazê-lo.

(Atualizado pela última vez às 12h22)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s: saída do PDE é “positiva” para o rating. É desta?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião