ISEG revê em alta previsão para o crescimento da economia em 2017

  • Lusa
  • 26 Maio 2017

Instituto Superior de Economia e Gestão espera que o PIB cresça entre 2,4% e 2,8%, mais otimista do que o Governo e Bruxelas.

O Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) reviu em alta a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa este ano, situando-a entre os 2,4% e 2,8%, mais otimista do que o Governo e Bruxelas (1,8%).

Na síntese de conjuntura de maio, o grupo de análise económica do ISEG afirma que, “dado o crescimento do primeiro trimestre e a atual avaliação da conjuntura, a previsão para o crescimento do PIB em 2017 é revista para o intervalo [2,4% a 2,8%], condicional a uma evolução não negativa da conjuntura internacional”.

Anteriormente, a estimativa do instituto apontava para que o crescimento da economia portuguesa em 2017 se situasse num intervalo entre os 1,7% e os 2,1%.

“O crescimento registado no primeiro trimestre e a avaliação da conjuntura atual determinam a necessidade de uma revisão do crescimento anteriormente previsto para o ano de 2017”, refere.

O ISEG justifica a revisão com base na expectativa de crescimentos em volume de 2,4% no consumo privado, 7,5% no investimento, 7,0% nas exportações e de 7,0 a 8,0% nas importações.

No que respeita a fatores internos, esta previsão assume “um relativamente elevado crescimento da Procura Interna”, mas o fator principal a determinar o maior ou menor crescimento anual do PIB deverá ser a evolução da relação entre o crescimento real das exportações e das importações, ou seja, o contributo da procura externa líquida, que se espera venha a ser menos negativo do que o habitual e mais em linha com o acontecido no ano anterior e no primeiro trimestre deste ano.

No primeiro trimestre de 2017, o PIB português cresceu, em volume, 2,8% em termos homólogos e 1% face ao trimestre anterior.

Este valor prolonga a aceleração do crescimento do PIB, mas foi mais intenso do que o antecipado devido ao contributo positivo do saldo externo. No mesmo período a taxa de desemprego fixou-se em 10,1% (valores não corrigidos de sazonalidade), um decréscimo de 2,3 pontos percentuais em termos homólogos.

“Os poucos dados relativos ao segundo trimestre [abril] continuaram a ter uma evolução positiva e os indicadores de clima e de sentimento económico voltaram a subir. Também no conjunto da área euro o indicador de sentimento económico voltou a subir”, sinaliza.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ISEG revê em alta previsão para o crescimento da economia em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião