British Airways: dois dias de problemas informáticos custam 100 milhões

  • ECO
  • 29 Maio 2017

Não foi um bom fim de semana para a British Airways nem para os seus passageiros. Problemas técnicos levaram ao cancelamento e atraso de vários voos. Clientes perdem voos, a companhia perde dinheiro.

Durante este fim de semana, 1.000 voos foram afetados por falhas no sistema informático. No sábado, nenhum avião da British Airways levantou voo de Heathrow ou Gatwick, mas os custos do incidente sobem a pique: estima-se que ascendam aos 100 milhões de libras (115 milhões de euros) entre negócios perdidos e as compensações que têm de ser dadas aos clientes.

O último fim de semana foi caótico para a companhia aérea britânica. No sábado, nenhum voo descolou de Heathrow ou Gatwick. No domingo, o cenário melhorou, mas pouco. Em Heathrow persistiram os atrasos e cerca de 200 voos terão sido cancelados, de acordo com o The Guardian. Em Gatwick as falhas ficaram-se pelos atrasos neste segundo dia.

A companhia aérea teve de pedir que os passageiros não comparecessem mais de 90 minutos antes dos respetivos voos para evitar que o congestionamento aumentasse. Os relatos revelam que não existia sítio para os passageiros se sentarem e que as filas para remarcar os voos se estendiam. Terão sido cerca de 75.000 os afetados.

A British Airways optou por entregar o sistema informático a uma empresa indiana e extinguir o departamento próprio, que é apontada como a mudança que provocou toda a situação. Estas acusações já foram negadas pelo CEO da British Airways, Alex Cruz, em declarações à Sky News divulgadas no Twitter.

As consequências para a companhia aérea não se ficam pelas despesas com refeições, dormidas e reembolso das quantias dos voos. Afeta também a confiança dos clientes no serviço, que deverá continuar com falhas durante a semana. Os problemas no sistema informático, website e centro de atendimento ainda se verificam, e será difícil voltar a coordenar as tripulações, dadas as normas exigentes. O site da British Airways dá a possibilidade dos clientes remarcarem o voo para qualquer data até novembro, mesmo que o seu não tenha sido cancelado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

British Airways: dois dias de problemas informáticos custam 100 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião