EUA querem proibir uso de computadores portáteis em todos os voos

  • ECO
  • 29 Maio 2017

A voar para os EUA? Pode ter de abdicar do seu computador portátil. Os serviços de segurança americanos temem detonações a bordo a partir de aparelhos eletrónicos.

As autoridades norte-americanas querem proibir o uso de computadores portáteis na cabine do avião em todos os voos para os Estados Unidos (EUA), considerando que está em causa uma “ameaça real”, segundo o ministro da Segurança Interna, John Kelly.

“Há uma ameaça real. É realmente uma obsessão dos terroristas: abater um avião em voo, em particular, um avião norte-americano, repleto de americanos a bordo”, disse o ministro da segurança, John Kelly, na cadeia televisiva Fox News.

Em 21 de março, as autoridades americanas tinham proibido os passageiros provenientes de dez aeroportos de oito países árabes (incluindo a Turquia) de usarem computadores portáteis, ‘tablets’ e outros dispositivos eletrónicos de tamanho superior aos telemóveis na cabine dos aviões.

Na altura, foi dito que estas restrições poderiam ser estendidas para outras regiões, incluindo para os voos com origem na Europa, até porque os EUA têm relatórios dos serviços de inteligência que indicam que um computador portátil pode ser usado para acionar uma bomba a bordo de um avião.

Especialistas dos EUA e da Comissão Europeia têm mantido inúmeros contactos para discutir as condições desta possível proibição. A entrada em vigor da proibição de uso de computadores portáteis nos voos para os EUA pode trazer problemas para os aeroportos europeus, que têm mais de 3.250 voos semanais previstos neste verão entre os países da União Europeia e os EUA.

Os oito países cujos aeroportos estão atualmente abrangidos pela proibição de uso de aparelhos eletrónicos em voos para os EUA são a Turquia, Jordânia, Egito, Arábia Saudita, Kuwait, Qatar, Emirados Árabes Unidos e Marrocos. Também em março, seguindo o exemplo de Washington, o Reino Unido tomou uma medida semelhante limitada a seis países: Turquia, Líbano, Jordânia, Egito, Tunísia e Arábia Saudita.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA querem proibir uso de computadores portáteis em todos os voos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião