Draghi: Crédito malparado em Portugal “deve ser enfrentado”

Com uma inflação subjacente ainda longe da meta dos 2%, o presidente do Banco Central Europeu considerou ser "muito cedo" para retirar os estímulos na economia da Zona Euro.

Os mercados continuam expectantes sobre como e quando é que o Banco Central Europeu vai deixar de comprar dívida soberana, retirando os estímulos à economia europeia. Esta segunda-feira, Mario Draghi, numa audição no Parlamento Europeu, admitiu que a Zona Euro está a recuperar de forma sólida. Mas alertou que a inflação subjacente — excluindo os combustíveis — está aquém da meta estabelecida pelo BCE (perto de 2%). Ou seja, é “muito cedo” para alterar a política monetária.

Ainda é muito cedo para pensar que vamos mudar a orientação da política monetária“, respondeu o presidente do Banco Central Europeu, citado pela Bloomberg. Mesmo com a aceleração da economia, tal como revelaram os últimos dados do Eurostat, Draghi considera que a Zona Euro continua a necessitar de uma política monetária acomodatícia. “Continuámos firmemente convencidos de que uma ajuda extraordinária de política monetária, incluindo através da nossa orientação, ainda é necessária”, afirmou perante os eurodeputados da comissão de Economia e Assuntos Monetários, em Bruxelas.

Contudo, o líder da política monetária europeia confirmou que os limites do quantatitive easing, nomeadamente quanto à compra de dívida de um país, não serão ultrapassados.

A contrabalançar o crescimento da economia está o valor da inflação subjacente. “As pressões dos custos domésticos, notavelmente com origem nos salários, ainda são insuficientes para apoiar uma inflação durável e autossuficiente em direção ao nosso objetivo de médio prazo”, explicou Mario Draghi na audição trimestral do Parlamento Europeu. Ou seja, a economia tem recuperado mas os preços dos bens não têm acompanhado essa recuperação.

Draghi disse ainda que o risco externo diminuiu, principalmente porque a economia está a crescer graças ao consumo doméstico e ao investimento.

A próxima reunião do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu está marcada para 8 de junho. Nesse encontro, Draghi espera ter informação “mais completa” para formular um julgamento sobre a distribuição de risco à volta das previsões para o crescimento económico e inflação.

Draghi: Portugal fez progressos significativos mas deve enfrentar problema do crédito malparado

O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, afirmou ainda que Portugal alcançou “progressos significativos” em “todas as frentes”, mas advertiu para o problema do crédito malparado, que “deve ser enfrentado”. “Foram alcançados, de facto, progressos significativos em Portugal, em todas as frentes. Esse é o primeiro ponto que devemos ter em mente. O segundo é que, no entanto, persistem vulnerabilidades significativas, em especial no setor bancário, onde ainda temos um número elevado de crédito malparado, como [acontece] em outros outros países, sobretudo da periferia, e estas vulnerabilidades devem ser enfrentadas”, afirmou.

Mario Draghi, que respondia a uma questão do eurodeputado português Pedro Silva Pereira, do PS, durante uma audição perante a comissão parlamentar de Assuntos Económicos, defendeu que “estas vulnerabilidades têm que ser enfrentadas antes de mais para o seu próprio bem [dos bancos], para a estabilidade do sistema bancário, mas também para explorar ao máximo a capacidade dos bancos portugueses de apoiarem e financiarem a economia real”.

O presidente do BCE reforçou que as vulnerabilidades resultantes do crédito malparado constituem “um entrave” à capacidade dos bancos conseguirem financiar empresas e famílias.

(Atualizado às 17h40 com Lusa)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Draghi: Crédito malparado em Portugal “deve ser enfrentado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião