Banco mau? Portugal não precisa, diz António Costa

  • ECO
  • 30 Maio 2017

O primeiro-ministro não antecipa que seja necessário resgatar mais nenhum banco. Há um problema de malparado, mas não será necessário avançar com a criação de um banco mau, diz ao Handelsblatt.

António Costa diz que a banca está a estabilizar. Afasta, em entrevista ao Handelsblatt, a necessidade de se criar um banco mau para resolver o problema do malparado, salientando que está a trabalhar para criar uma plataforma que permita aos bancos conseguirem encontrar solução para estes créditos em incumprimento.

Ao jornal alemão, citado pela Reuters, o primeiro-ministro português diz que, juntamente com o Banco de Portugal, está a desenvolver uma plataforma de estabilização da banca que visa coordenar o reembolso de dívidas aos bancos. A ideia da plataforma resulta do facto de haver várias empresas com dívidas junto de um conjunto alargado de instituições financeiras.

O foco é na banca, e nos problemas que subsistem no setor, apesar de já estar estabilizado, mas Costa também falou da economia. E com especial atenção para as contas públicas depois do défice de pouco mais de 2% no último ano. Desenvolvimentos que levam o primeiro-ministro a afirmar que está “confiante que as agências de rating subam as avaliações do país em breve”.

Portugal continua a ser “lixo” para as três maiores agências de rating mundiais, apesar de estar a demonstrar sinais positivos. Vários membros do Executivo têm vindo a afirmar que estão confiantes numa revisão em alta das notações. Durante o fim de semana o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse esperar que as agências melhorem o rating de Portugal “ainda neste ou no próximo ano”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco mau? Portugal não precisa, diz António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião