Solução para os lesados do BES parada no Parlamento

  • ECO
  • 30 Maio 2017

A proposta de lei que permite a criação do fundo para os lesados do papel comercial do BES está parada. Encravou na Assembleia da República.

Os lesados do BES podem ter de esperar um pouco mais para começarem a receber parte dos valores aplicados no papel comercial do banco que foi alvo de resolução em 2014. É que a proposta de lei que permite a criação do fundo para os lesados do papel comercial do BES está parada. Encravou na Assembleia da República.

A realização de várias jornadas parlamentares de partidos em maio, que encolheram o tempo de discussão em plenário, é a razão apresentada para o atraso, que reduziu a janela para que este processo fique fechado até ao verão, de acordo com o Público. Depois da conferência de líderes na semana passada poucos foram os buracos na agenda a sobrar, o que faz com que a discussão da proposta possa só acontecer depois das autárquicas.

"Não nos passa pela cabeça que a Assembleia da República feche para férias e que estas pessoas passem, pelo terceiro verão consecutivo, um período de extrema ansiedade e dificuldade, sem solução para o problema.”

Luís Miguel Henrique

Representante dos lesados do papel comercial do BES

Este atraso vem assim comprometer o calendário definido, que previa o pagamento da primeira de três tranches no final de junho ou início de julho. “Não nos passa pela cabeça que a Assembleia da República feche para férias e que estas pessoas passem, pelo terceiro verão consecutivo, um período de extrema ansiedade e dificuldade, sem solução para o problema. E atenção, no final de julho, princípio de agosto, as pessoas contam ter a primeira tranche nas suas contas”, diz Luís Miguel Henrique representante dos lesados.

Tenho a garantia que esta semana estará agendada [a votação] para que se inicie todo o processo legislativo, que será rápido, porque CMVM e Banco de Portugal fizeram parte do grupo de trabalho que preparou tudo. O que se segue, a criação do fundo, a emissão da garantia, a contratação do financiamento, tudo isso está parado. E com algum esforço de todos, acredito que consigamos cumprir os prazos”, nota ao jornal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Solução para os lesados do BES parada no Parlamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião