Goldman Sachs compra dívida da Petróleos Venezuela e motiva críticas da oposição

  • Lusa
  • 30 Maio 2017

O banco Goldman Sachs anunciou a compra de obrigações ao Banco Central da Venezuela depois das críticas dos oposicionistas venezuelanos.

“Investimos em obrigações da Petróleos da Venezuela (PDVSA) porque, como muitos outros neste setor, acreditamos que a situação nesse país tem de melhorar com o tempo”, segundo um comunicado da instituição financeira norte-americana, dirigido à Efe.

O The Wall Street Journal noticiou este fim de semana que o departamento de gestão de ativos do Goldman Sachs pagou 31 cêntimos de dólar, num total de 865 milhões de dólares, pelas obrigações emitidas pela PDVSA em 2014, que vencem em 2022.

Um porta-voz do Goldman Sachs afirmou à Efe que estas obrigações foram adquiridas através de um intermediário de mercado (‘broker’), em operação em que não houve qualquer intervenção direta do governo venezuelano.

“Reconhecemos que a situação é complexa e instável e que a Venezuela está em crise. Acreditamos que vida [nesse país] tem de melhorar e, em parte, fizemos este investimento porque acreditamos que assim será”, ainda segundo a fonte do banco.

O investimento foi feito em plena onda de manifestações na Venezuela, favoráveis e contrárias ao governo de Nicolás Maduro, que por várias vezes terminaram em violência, tendo já causado 59 mortos e mil feridos nos últimos dois meses, segundo números da Procuradoria.

Justamente hoje, dezenas de pessoas protestaram frente à sede central do Goldman Sachs, em Nova Iorque, convocadas pela plataforma ‘SOS Venezuela NY’, que considera a transação do banco “imoral” e uma forma de apoio à “ditadura” de Nicolás Maduro.

O deputado da oposição Ángel Alvarado, membro da comissão de Finanças do Congresso venezuelano, considerou que o banco se colocou “do lado errado da história” ao fazer esta operação.

Na semana passada, depois de feita esta operação do Goldman Sachs, as reservas internacionais do Banco Central da Venezuela passaram de 442 milhões de dólares para 10,8 mil milhões, segundo estatísticas oficiais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Goldman Sachs compra dívida da Petróleos Venezuela e motiva críticas da oposição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião