“Isto vai mudar”. É a resposta de Trump a Merkel

  • Lusa
  • 30 Maio 2017

"Temos um défice comercial ENORME com a Alemanha, além de que eles pagam MUITO MENOS do que deveriam na NATO e militarmente. Muito mau para os EUA. Isto vai mudar", escreveu Trump no Twiter.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, considerou esta terça-feira que a política comercial e militar da Alemanha é “muito má” para os Estados Unidos e alertou que esta situação “vai mudar”.

“Temos um défice comercial ENORME com a Alemanha, além de que eles pagam MUITO MENOS do que deveriam na NATO e militarmente. Muito mau para os EUA. Isto vai mudar”, escreveu Trump na sua conta no Twitter.

Os comentários de Trump surgem dois dias depois de a chanceler alemã, Angela Merkel, ter assegurado – num comício no domingo – que “os tempos em que se podia confiar nos outros ficaram para trás”, numa referência aos Estados Unidos e ao Reino Unido.

O Reino Unido oficializou há poucos meses o início do processo para sair da União Europeia e os Estados Unidos, sob a nova presidência de Donald Trump, tem questionado o papel da NATO e dos aliados que a compõem.

Na cimeira da Aliança, na semana passada em Bruxelas, Trump nunca referiu – como é habitual – o artigo 5 do Tratado do Atlântico Norte, que indica que um ataque contra um dos membros da NATO é um ataque contra todos. Na prática, é o artigo que garante a intervenção, especialmente do aliado mais forte, os Estados Unidos, em caso de agressão.

Merkel explicou que chegou a essa conclusão após as cimeiras do G7 e da NATO, nas quais ficaram bem patentes as diferenças entre as políticas da nova Administração norte-americana e os seus parceiros europeus e ocidentais.

“Nós, os europeus, temos que ser donos do nosso próprio destino”, disse a chanceler no domingo, dois dias depois de Trump ter qualificado os alemães como “maus, muito maus” num encontro com a cúpula da União Europeia.

Os seus assessores afirmaram posteriormente que o Presidente americano se referia exclusivamente ao comércio entre os dois países.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Isto vai mudar”. É a resposta de Trump a Merkel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião