Trabalhadores do Novo Banco deverão ficar protegidos de ações judiciais de lesados do BES

  • Lusa
  • 30 Maio 2017

A maioria dos trabalhadores do Novo Banco deverá ficar protegida de processos judiciais colocados pelos lesados do BES. Mas há exceções, o que os sindicatos dizem ser uma "discriminação repudiável".

A maioria dos trabalhadores do Novo Banco deverá ficar protegida de processos judiciais colocados pelos lesados do papel comercial, já que essa cláusula integrará contrato que os clientes terão de assinar para que possam ser indemnizados pelo investimento perdido.

Esta informação foi dada à Lusa por fonte do grupo de trabalho criado para resolver a situação dos clientes que compraram papel comercial de empresas do Grupo Espírito Santo (GES), aos balcões do Banco Espírito Santo (BES), e cujo investimento foi perdido com a queda do grupo e do banco no verão de 2014. Contudo, nem todos os trabalhadores do Novo Banco serão abrangidos por esta garantia, uma vez que há casos de administradores do universo BES que estão agora na instituição e que a salvaguarda não incluirá.

Esta segunda-feira, os sindicatos dos bancários afetos à UGT exigiram que os trabalhadores do Novo Banco (ex-BES) fossem protegidos de eventuais ações judiciais interpostas por parte dos clientes do papel comercial, tendo mesmo enviado cartas nesse sentido ao Governo, ao Banco de Portugal e à administração do Novo Banco.

Em causa está o mecanismo encontrado para compensar os lesados pelo papel comercial, que obriga os clientes que aderirem a essa solução a renunciarem a reclamações ou ações judiciais contra entidades como Banco de Portugal (BdP), Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Fundo de Resolução bancário, Estado, Novo Banco e seu futuro comprador.

O Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) considerou então que “a exclusão [dos trabalhadores] no âmbito daquela renúncia a direitos e ações é uma discriminação repudiável e uma ofensa ao bom nome e dignidade dos trabalhadores“, afirmando ainda que “é absurdo que seja ilibada a entidade patronal e se incentive a perseguição dos seus trabalhadores”. Também o Sindicato dos Bancários Sul e Ilhas (SBSI) pediu “que os trabalhadores da instituição sejam salvaguardados na solução encontrada para investidores não qualificados em virtude de aquisição de papel comercial”.

Na semana passada foi conhecido que 97% dos clientes que investiram 434 milhões de euros em papel comercial do Grupo Espírito Santo, vendido aos balcões do BES, deram indicação de que vão aderir à solução encontrada pelo grupo de trabalho – constituído pela Associação de Indignados e Enganados do Papel Comercial, a CMVM, o BdP, o ‘banco mau’ BES e o Governo, através do advogado Diogo Lacerda Machado – que lhes permite reaver parte dos investimentos feitos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores do Novo Banco deverão ficar protegidos de ações judiciais de lesados do BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião