BES: Emigrantes lesados voltam a protestar em Paris

  • Lusa
  • 27 Maio 2017

Cerca de uma centena de emigrantes lesados do BES juntaram-se este sábado em Paris num novo protesto. Afirmam que "parar é morrer" e prometem novas ações.

Cerca de uma centena de emigrantes lesados do BES juntaram-se este sábado em Paris num novo protesto, afirmando que “parar é morrer” e prometendo novas ações, a 17 de junho na capital francesa e mais tarde em Portugal.

Depois da sede do Novo Banco em Paris, da Embaixada de Portugal e da Torre Eiffel, desta vez foi com o monumental edifício da Ópera como pano de fundo que os emigrantes chamaram a atenção dos turistas, com bandeiras de Portugal e cartazes em que se lia “bancos portugueses = perigo”, gritando “banqueiros portugueses, ladrões dos emigrantes”.

Madalena Araújo, de 57 anos, tem sido uma das presenças habituais nos protestos que começaram há dois anos em Paris e promete continuar a participar nas manifestações porque “o dinheiro que lá está é fruto do trabalho, suor e sacrifício de tanto ano” em França. “Venho a todas e continuarei sempre que possa. Jamais abandonarei este combate, esta luta, porque não podemos abandonar. Já vão fazer três anos no dia 04 de agosto [desde o colapso do BES] e parar é morrer, como se costuma dizer”, afirmou à Lusa a portuense, que está em França há 31 anos.

A manifestação foi organizada pelo grupo Emigrantes Lesados Unidos. Dele faz parte Carlos Costa, que sublinhou que “há pessoas desesperadas porque não têm dinheiro para viver e outras que não têm dinheiro para ir para Portugal” e que “estão completamente prisioneiras do banco”.

“Desde o princípio que dizemos que estamos esquecidos e é evidente que estamos esquecidos. Eles andam a empatar. O Novo Banco continua a apodrecer esta situação e tem que haver uma solução”, afirmou o português, de 50 anos, atualmente desempregado e com mais quatro pessoas da família lesadas do BES.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BES: Emigrantes lesados voltam a protestar em Paris

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião