Nova descida do IVA na restauração ainda está por decidir

  • ECO
  • 31 Maio 2017

Há dez meses, foi constituído um grupo de trabalho para avaliar o impacto da redução do IVA em alguns produtos de restauração. Mas ainda não há qualquer conclusão.

O Orçamento do Estado para 2017 incluía uma autorização legislativa que permitia baixar o IVA da restauração para os serviços de bebidas que ficaram de fora da descida, de 23% para 13%, que foi implementada em julho de 2016. Contudo, estes produtos que mantiveram o IVA a 23% continuam sem ver uma descida do imposto e o Governo não revela se vai, ou não, avançar com este corte, avança o Público (acesso condicionado), esta quarta-feira.

O alargamento da descida do IVA às bebidas ainda não abrangidas está dependente das conclusões de um grupo de trabalho que está a acompanhar os efeitos da redução para 13% dos restantes produtos. Este grupo, constituído há dez meses, deveria apresentar relatórios de seis em seis meses, mas ainda não apresentou qualquer relatório.

Ao Público, o Ministério das Finanças assegura que o “estudo está a ser feito” dentro dos prazos, mas não revela se pretende cumprir com a intenção de alargar a redução do IVA aos serviços de bebida ainda este ano. “Não serão divulgados resultados preliminares que possam condicionar uma correta avaliação do impacto da medida”, diz o gabinete de Mário Centeno ao mesmo jornal.

A redução da taxa de IVA para a restauração de 23% para 13% implicou uma perda de receita de cerca de 175 milhões de euros, segundo os cálculos apresentados pelo Governo no último Orçamento do Estado. Para já, apenas os serviços de alimentação, cafetaria e água lisa beneficiam desta redução. Produtos como as bebidas alcoólicas, refrigerantes, sumos, néctares e águas com gás mantiveram o imposto a 23%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova descida do IVA na restauração ainda está por decidir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião