Em 2016, Fisco prioriza restaurantes, hotéis e imóveis

  • ECO
  • 10 Março 2017

Os fiscais da Autoridade Tributária estão na rua para fiscalizar empresas sem aviso, em conjunto com a ASAE ou a Segurança Social.

A Autoridade Tributária vai dar prioridade à atividade de restaurantes, hotéis e imóveis, com fiscais a fazer visitas sem se anunciarem, escreve esta sexta-feira o Jornal de Negócios (acesso pago). As inspeções vão ser feitas em conjunto com fiscais de outras instituições, como a Segurança Social ou a ASAE, e deverão ser mais visíveis em 2017.

De acordo com o Plano Nacional de Atividades da Inspeção Tributária e Aduaneira (PNAITA), 37% das ações inspetivas deverão acontecer no terreno, o que é considerado “um forte elemento dissuasor que induz ao cumprimento voluntário”. O Negócios sublinha que as ações conjuntas com o SEF, a ASAE, a inspeção do trabalho ou a Segurança Social vão centrar-se em setores com altos indícios de fraude e que também sejam relevantes para as outras entidades que participem, como é o caso do comércio a retalho, dos hotéis e alojamento local e da restauração, por exemplo.

O Fisco tenciona ainda alargar as inspeções realizadas por inspetores clandestinos, que são permitidas desde 2014, em que um fiscal pode fingir ser um cidadão comum que é cliente de um negócio para verificar que existe registo e se os operadores cumprem as regras de faturação.

Espera-se ainda, de acordo com o Jornal de Negócios, que os inspetores apresentem correções à matéria coletável próximas dos 1500 milhões de euros nas áreas tributária e aduaneira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em 2016, Fisco prioriza restaurantes, hotéis e imóveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião