Azevedo Pereira defende Fisco e garante inspeção às offshores

Azevedo Pereira foi presidente da Autoridade Tributária até julho de 2014 e afirma ao ECO que o Fisco sempre fez o "tratamento e acompanhamento inspetivo" das transferências para offshores.

José Azevedo Pereira, o máximo responsável da Administração Fiscal entre 2007 e julho de 2014, quebrou o silêncio: em declarações exclusivas ao ECO, afirma que “a Autoridade Tributária (AT) efetuou em devido tempo, quer o tratamento e o acompanhamento inspetivo que lhe competia, quer a preparação dos elementos necessários à efetiva divulgação pública dos elementos em causa“.

O caso já é conhecido, foi revelado pelo Público e desenvolvido também aqui no ECO. Um conjunto de 20 operações comunicadas pelos bancos à Autoridade Tributária relativas a transferências para praças financeiras com tratamento fiscal privilegiado, leia-se offshores, terão passado ao lado do escrutínio da máquina fiscal. Estão em causa cerca de dez mil milhões de euros que não constavam das estatísticas que voltaram a ser publicadas já com o atual secretário de Estado Rocha Andrade em abril de 2016, mas aparecerem nos números do último mês de dezembro. Segundo as notícias públicas, são operações relativas ao período 2011 a 2104.

  • As estatísticas oficiais revelavam em abril de 2016 um valor de 7.162 milhões de euros para offshores no período entre 2011 a 2014, mas em dezembro, o valor contabilizado foi mais do dobro: foram 16,9 mil milhões de euros, uma diferença superior a 9.800 milhões de euros de transferências para os paraísos fiscais.

São ainda muitas as perguntas, e faltam respostas. Quer do secretário de Estado Rocha Andrade, que já confirmou que estes valores estão agora a ser alvo de tratamento e controlo fiscal, seja da atual presidente da Autoridade Tributária, Helena Borges. E da própria Inspeção Geral de Finanças, a quem foi pedida uma investigação a este caso já por instrução deste governo.

O presidente da Autoridade Tributária até julho de 2014 foi José Azevedo Pereira, que tinha sido nomeada ainda por Teixeira dos Santos para substituir Paulo Macedo, à data ainda com o estatuto de diretor-geral. Questionado pelo ECO sobre as operações em causa, Azevedo Pereira é claro: “Acerca das notícias que têm vindo a ser publicadas, relativamente à falta de divulgação pública de elementos relativos a transferências para offshores e à eventual falha, por parte da Autoridade Tributária (AT), no tratamento da informação em causa, gostaria afirmar que, relativamente às operações em questão, a AT efetuou em devido tempo, quer o tratamento e o acompanhamento inspetivo que lhe competia, quer a preparação dos elementos necessários à efetiva divulgação pública dos elementos em causa“.

Azevedo Pereira não diz, mas fica implícito na sua declaração que está a responder pelo período em que teve responsabilidades na Autoridade Tributária. O ECO apurou junto de outras fontes do Fisco que as 20 declarações em causa já terão sido ‘descobertas’ após a saída do antigo líder do Fisco, na segunda metade de 2014 e em 2015.

Durante o período de mandato no Fisco, Azevedo Pereira conviveu com quatro secretários de Estado, o último dos quais foi precisamente Paulo Núncio. O antigo secretário de Estado do governo de coligação não publicou as estatísticas relativas às transferências para paraísos fiscais, mas, ontem, em declarações ao ECO, fez questão de separar o que é o tratamento estatístico do que diz respeito ao tratamento para efeitos fiscais e de inspeção.

Ainda assim, em relação ao caso revelado, Núncio esclareceu: “Não tive conhecimento da situação descrita relativamente ao não tratamento de parte das declarações dos bancos pela Autoridade Tributária. E acho muito bem que, caso tenha havido parte da informação fornecida pelos bancos à AT que não foi devidamente analisada, que a IGF apure o porquê de tal facto.”

Ora, sem nunca o referir explicitamente, Azevedo Pereira revela que, no seu mandato à frente da máquina fiscal, foi realizada a “preparação dos elementos necessários” não só ao tratamento para efeitos inspetivos como para a sua divulgação pública. Dito de outra forma, se os dados estatísticos não foram divulgados, foi por opção do secretário de Estado de então, Paulo Núncio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Azevedo Pereira defende Fisco e garante inspeção às offshores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião