Raize e BNI Europa juntam-se para financiar PME

  • Juliana Nogueira Santos
  • 31 Maio 2017

O BNI Europa vai reforçar em 10 milhões de euros a capacidade de financiamento da bolsa de empréstimos portuguesa, que tem como principais alvos as pequenas e médias empresas.

A plataforma de empréstimos Raize juntou-se ao BNI Europa para investir nas pequenas e médias empresas portuguesas. Através desta, que é a primeira parceria entre um banco e uma fintech portuguesa para financiar a economia nacional, serão emprestados 10 milhões de euros nos próximos dois anos.

O BNI Europa entrou para a lista de investidores da Raize no segundo trimestre deste ano, tendo já começado a emprestar fundos à taxa indicativa. Para além disto, a instituição bancária angolana também celebrou uma parceria de 45 milhões de libras com a MarketInvoice, a segunda maior plataforma de empréstimos da Europa.

“O primeiro contacto entre a Raize e o BNI deu-se numa conferência de fintech do Banco de Portugal em outubro do ano, onde o Governador estava a introduzir o tema na sociedade portuguesa e a propósito desse evento, onde também estava o CEO do banco, acabámos por conversar e por começar a estudar uma parceria“, contou ao ECO, José Maria Rego, co-fundador da plataforma.

Desde que foi criada, em 2014, a Raize já realizou mais de 350 operações de financiamento, com um valor total superior a 6,5 milhões de euros. Esta parceria vai permitir à Raize mais que duplicar este valor. “O facto de um banco se juntar acresce a capacidade de financiamento da bolsa e canaliza-o de uma forma mais eficiente para a economia”, afirma José Maria Rego.

A plataforma, que tem atualmente mais de 11 mil investidores, estima que daqui a 10 anos em Portugal, cerca de 25% das PME se financiem junto de investidores. No Reino Unido, por exemplo, os empréstimos através de bolsas de empréstimos a PME já representavam 14% dos novos empréstimos em 2015.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Raize e BNI Europa juntam-se para financiar PME

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião