Empresas ignoram apoios para contratar recursos qualificados

  • Lusa
  • 7 Junho 2017

Alguns avisos para inserção de recursos qualificados nas empresas “ficaram desertos”, apesar do apoio dado pelos fundos comunitários, lamenta a presidente da CCDR Centro.

A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Centro (CCDRC) avançou esta terça-feira que alguns avisos para a inserção de recursos humanos altamente qualificados “ficaram desertos”, apesar dos incentivos passarem pelo pagamento de metade dos salários.

“Tivemos avisos que ficaram desertos! Isso significa que não tivemos qualquer empresa a querer contratar recursos humanos altamente qualificados”, revelou Ana Abrunhosa.

"Tivemos avisos que ficaram desertos! Isso significa que não tivemos qualquer empresa a querer contratar recursos humanos altamente qualificados.”

Ana Abrunosa

Presidente da CCDRC

Na sua intervenção num debate sobre a emigração de jovens qualificados, que decorreu ao final da tarde de hoje, a presidente da CCDRC sublinhou que ficou surpreendida, pela negativa, com as poucas candidaturas apresentadas pelas empresas para contratação de recursos humanos qualificados, nomeadamente mestres, doutorados e licenciados há mais de cinco anos.

“Sabem qual foi a desculpa? Que os valores de referência são muito elevados, mas recuso-me a baixar estes valores”, salientou.

"Sabem qual foi a desculpa? Que os valores de referência são muito elevados, mas recuso-me a baixar estes valores.”

Ana Abrunosa

Presidente da CCDRC

O apoio em causa prevê, durante três anos, o pagamento de metade do valor de referência, sendo o salário mínimo de 1.500 euros. “Se for licenciado são 1.850 euros, mestre são 2.000 euros e doutorado 2.500 euros”, informou.

De acordo com Ana Abrunhosa, até ao momento foram aprovadas 53 candidaturas, que correspondem a 28 licenciados, 15 mestres e dez doutorados.

“Destes, com experiência no estrangeiro são quatro licenciados, dois mestres e um doutorado. E aqueles que deixaram o estrangeiro para vir são um mestre, um doutorado e um licenciado”, referiu.

No seu entender, isto é “manifestamente pouco”, sendo necessário continuar a trabalhar para este propósito, já que estes são “salários dignos tendo em conta o salário médio do país”.

“Quando falamos com estes jovens, temos a perceção que até estão disponíveis para vir e uma diminuição do salário não é problema desde que tenham perspetiva de carreira”, concluiu.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Empresas ignoram apoios para contratar recursos qualificados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião