SIBS está à venda. Deutsche Bank é o assessor financeiro

Os acionistas da SIBS decidiram abrir um processo formal de venda da empresa que é dona da rede Multibanco. O Deutsche Bank vai ser o assessor financeiro do negócio.

O processo de venda da SIBS está formalmente aberto, já foi aprovado pelos acionistas da companhia de pagamentos eletrónicos que, para isso, contrataram como assessor financeiro o banco alemão Deutsche Bank, apurou o ECO junto de fonte da empresa. É uma operação ainda em moldes a definir e que não deverá estar concluída antes do final do ano.

A SIBS é a dona da rede Multibanco e opera num setor, o processamento de pagamentos, que está em transformação acelerada, nomeadamente com a globalização dos negócios. Até agora, a SIBS é controlada pelos bancos do sistema, numa espécie de ‘coopetição’. É líder de mercado e já tem operações em outros mercados, como a Argélia, a Nigéria, Angola ou em mercados europeus como Espanha ou a Polónia. Em 2016, a SIBS faturou cerca de 167 milhões de euros e apresentou lucros de 45 milhões. E investe cerca de 10% das vendas anuais.

Agora, com as mudanças tecnológicas e os novos players na área bancária, e a necessidade de dar outra capacidade para um mercado global, os acionistas da SIBS decidiram abrir formalmente o processo de venda da empresa. Todos os cenários estão em aberto com o objetivo de encontrar um parceiro estratégico, confidenciam várias fontes da empresa. Uma venda total ou parcial, a uma empresa internacional do setor ou a um fundo de investimento.

A operação será conduzida pelo próprio chairman da empresa, Vítor Bento, e acompanhada, claro, pela presidente executiva, Madalena Cascais Tomé. E sem urgência, garantem fontes da SIBS. Antes, claro, será necessário fechar os acordos de prestação de serviços aos operadores bancários em Portugal, e será esse acordo que vai determinar, depois, o preço de venda da SIBS.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIBS está à venda. Deutsche Bank é o assessor financeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião