Direita acusa esquerda de ter medo que se saiba o que aconteceu na CGD

  • Margarida Peixoto
  • 8 Junho 2017

PSD e CDS acusam a maioria de esquerda de não querer que se saiba o que aconteceu na CGD. Mas a esquerda devolve a acusação.

A direita acusou esta quinta-feira a esquerda parlamentar de ter medo que se descubra a verdade sobre os negócios da Caixa Geral de Depósitos. E a esquerda devolve a acusação e diz que são PSD e CDS que temem que os portugueses fiquem a conhecer as conclusões sobre a má capitalização do banco público, realizada em 2012.

“PS, BE e PCP têm medo que se saiba o que aconteceu na CGD”, atirou esta quinta-feira o deputado social-democrata, Hugo Soares, numa declaração nos Passos Perdidos, na Assembleia da República. Para PS, BE e PCP terem tomado esta “decisão atentatória dos direitos parlamentares”, somou João Almeida, porta-voz do CDS, “é porque o que têm a esconder é certamente muito forte.”

"PS, BE e PCP têm medo que se saiba o que aconteceu na CGD.”

Hugo Soares

Deputado do PSD

Em causa está a decisão da comissão parlamentar de inquérito, tomada pela maioria de esquerda contra a vontade da direita, no sentido de recusar a suspensão dos trabalhos da comissão, à espera que cheguem as decisões definitivas dos tribunais sobre a divulgação da lista de devedores da CGD. Os documentos em causa foram pedidos pela comissão parlamentar de inquérito, com o aval de todos os grupos parlamentares, mas as entidades recorreram da decisão da justiça que tinha validado a divulgação da informação.

Para os grupos parlamentares da direita, sem estes documentos não é possível continuar a fazer as audições, confrontar alguns dos responsáveis ouvidos com factos que os contradizem ou tirar qualquer conclusão sobre a responsabilidade das necessidades de recapitalização do banco público. “As conclusões serão sempre mancas”, defendeu Hugo Soares.

"O que PSD e CDS propuseram de suspensão é uma proposta para que os trabalhos e as conclusões não se tornem públicos.”

Moisés Ferreira

Deputado do BE

“Não passa de uma tentativa de instrumentalização da comissão de inquérito”, respondeu Miguel Tiago, deputado do PCP. “A comissão tem hoje elementos que lhe permitem concluir o que aconteceu”, garantiu. “O que PSD e CDS propuseram de suspensão é uma proposta para que os trabalhos e as conclusões não se tornem públicos”, acrescentou Moisés Ferreira, do BE. Para João Paulo Correia, do PS, “a deficiente capitalização de 2012” é “a grande razão” para as necessidades de recapitalização identificadas em 2016.

Ou seja, no entendimento da esquerda este pedido de suspensão dos trabalhos da comissão à espera de decisões judiciais visa “secundarizar” o parlamento face aos tribunais — nas palavras de Moisés Ferreira — e impedir que as conclusões que já podem ser tiradas sejam tornadas públicas.

Os três deputados da esquerda frisaram que os trabalhos da comissão já vão longos — dura quase há um ano, já fez 19 audições e recolheu dois depoimentos escritos — e garantem que já há material suficiente para produzir o relatório. A menos que a documentação em causa chegue ao parlamento até 3 de julho, as conclusões serão assim retiradas sem que se tenha analisado a lista dos maiores devedores do banco público.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Direita acusa esquerda de ter medo que se saiba o que aconteceu na CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião