União Europeia avança com Procuradoria Europeia para investigar fraudes

  • Lusa
  • 8 Junho 2017

Procuradoria Europeia terá poderes de investigação e ação penal em caso de atos lesivos do orçamento da UE. Primeiro tem de ser aprovada pelo Parlamento Europeu.

A criação de uma Procuradoria Europeia, organismo independente especializado na luta contra a criminalidade financeira em toda a União Europeia, recebeu esta quinta-feira “luz verde” de 20 Estados-membros, entre os quais Portugal, faltando agora apenas a aprovação do Parlamento Europeu.

O acordo político para a criação da Procuradoria Europeia foi alcançado esta quinta-feira no Conselho de Ministros da Justiça da União Europeia, no Luxemburgo, pelos 20 países que decidiram avançar com a chamada “cooperação reforçada”: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Portugal, Roménia e República Checa.

A “cooperação reforçada” é um mecanismo através do qual, face à impossibilidade de um acordo unânime entre todos os países da UE, um grupo de pelo menos nove Estados-membros (mais de um terço) pode aplicar uma regra entre si em determinada matéria, podendo outros países juntar-se posteriormente, sendo que, no caso da Procuradoria Europeia, Itália e Áustria já manifestaram interesse em associar-se posteriormente.

Após aprovada pelo Parlamento Europeu, a Procuradoria Europeia independente, que foi proposta pela Comissão Europeia em 2013, ainda sob a presidência de Durão Barroso, disporá de poderes de investigação e ação penal em caso de atos lesivos do orçamento da UE, nomeadamente corrupção ou fraude com fundos da UE ou fraude transfronteiras com o IVA.

Este acordo é um grande êxito, que garante a eficácia da Procuradoria Europeia desde a primeira hora.

Vera Jourova

Comissária europeia para a Justiça

A Procuradoria Europeia funcionará como um serviço único em todos os Estados-Membros participantes, tratando-se de um serviço independente, fora do raio de ação das instituições e dos serviços da UE existentes, já que não solicitará nem receberá instruções das instituições da UE ou das autoridades nacionais.

Numa reação ao acordo alcançado esta quinta-feira, a comissária europeia da Justiça comentou que se trata de “boas notícias para os contribuintes europeus”.

“Foi desenvolvido um trabalho árduo para se conseguir a adesão do maior número possível de Estados-Membros e estou muito feliz por dispormos agora de uma Procuradoria Europeia com 20 membros fundadores. Este acordo é um grande êxito, que garante a eficácia da Procuradoria Europeia desde a primeira hora“, afirmou Vera Jourova.

A comissária sublinhou ainda que a Procuradoria “complementará o importante trabalho desenvolvido pelo Eurojust, a agência da UE para a cooperação judiciária penal, o que lhe permitirá consagrar mais recursos à luta contra o terrorismo, o tráfico de seres humanos e outros crimes”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

União Europeia avança com Procuradoria Europeia para investigar fraudes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião