Segurança Social: Tribunal de Contas vê inversão na estratégia de investimento em dívida pública

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 9 Junho 2017

O Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, que tem três quartos da carteira em dívida portuguesa, valorizou 1% em 2016 mas teria perdido 0,6% se não fossem consideradas as dotações.

O Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) tem grande parte do dinheiro investido em dívida pública portuguesa. Três quartos dos 14,2 mil milhões de euros estão aplicados em títulos soberanos, isto depois de anos a reforçar a posição. Um aumento que ajudou o país nos anos mais complicados, mas que agora deverá começar a ser revertido. O Tribunal de Contas diz que há sinais de inversão na estratégia de investimento em dívida portuguesa.

“A dívida emitida ou garantida pelo Estado Português atingiu um máximo no final do primeiro semestre de 2016, mas no final do ano caía 2,0% em termos homólogos”, para quase 10,8 mil milhões de euros, o que corresponde a 75,8% da carteira — valor que, ainda assim, representa mais 4,7 mil milhões de euros face ao segundo trimestre de 2013. Em julho de 2013 começou a produzir efeitos uma portaria que alterou a matriz de investimentos deste fundo.

Esta quebra, que não ocorria desde 2011, poderá significar uma estabilização da estratégia ou o início da inversão da concentração da carteira, mantendo-se sem pertinência a generalidade dos limites do Regulamento de Gestão, que, apesar de já obrigar a que metade da carteira fosse aplicada em dívida pública portuguesa, pressupunha um determinado grau de diversificação”, diz ainda o relatório do Tribunal de Contas.

De acordo com o documento divulgado esta sexta-feira, o investimento em obrigações do Tesouro e dívida garantida pelo Estado aumentou 0,3% no final de 2016, face ao período homólogo, atingindo quase 9,5 mil milhões de euros, ou 66,4% do total. A liquidez — que contém dívida pública nacional de curto prazo — manteve-se como segunda componente mais relevante mas caiu 12,2%, para 1,9 mil milhões de euros (13,3% da carteira).

O Tribunal de Contas diz que se destacaram “as duas componentes que vinham sendo preteridas na estratégia de reforço do investimento em dívida pública portuguesa: a dívida pública estrangeira, com um aumento de 21,8%“, para quase 1,3 mil milhões de euros (9,1% do total) “e as ações, com um crescimento de 19,3%“, para cerca de 1,5 mil milhões de euros (ou 10,6% do total). Por seu turno, o imobiliário reduziu 56,6% e a reserva estratégica 23,6%.

Estrutura da carteira do FEFSS

(1) Obrigações do Tesouro e respetivos juros corridos (2) Inclui futuros e as valias potenciais de forwards afetas à cobertura de posições Fonte: Tribunal de Contas

Almofada valoriza 1%

Este fundo — uma espécie de pé-de-meia para pagar pensões caso o sistema entre em rutura — acabou o ano a valer 14,2 mil milhões de euros, equivalendo assim a 116,4% dos gastos com reformas do sistema previdencial. Em causa está uma valorização de 1%. Mas teria perdido 0,6% se não fossem consideradas as dotações provenientes de saldos de anos anteriores do sistema previdencial (200 milhões de euros) e de alienação de imóveis (27,5 milhões de euros).

“A gestão dos ativos originou uma desvalorização” de 81,1 milhões de euros, principalmente devido ao contributo negativo “da variação de valias potenciais [576,9 milhões de euros], que anulou por completo o valor proveniente de rendimentos”, diz o Tribunal. Acrescenta ainda que as valias realizadas geraram 103,2 milhões de euros e o juro corrido foi superior em 14,7 milhões de euros. “A rendibilidade acumulada em 2016 foi de -0,57%”, avança o relatório.

Embora o sistema previdencial de Segurança Social já tenha atingido o vermelho, o Orçamento do Estado tem feito transferências extraordinárias, evitando assim o recurso ao FEFSS. O relatório do Orçamento do Estado projeta para o “início da década de 2040” o “esgotamento” do Fundo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Segurança Social: Tribunal de Contas vê inversão na estratégia de investimento em dívida pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião