BCE voltou a reduzir compras de dívida portuguesa para novo mínimo

Banco central voltou a baixar o ritmo de compra de dívida portuguesa para um novo mínimo histórico. Mas Portugal não é caso único.

O Banco Central Europeu (BCE) continua a diminuir o ritmo de compra de obrigações portuguesas no âmbito do plano de aquisição de dívida do setor público (PSPP). Em maio, a autoridade monetária adquiriu 504 milhões de euros em títulos nacionais, um novo mínimo de sempre.

A cada mês que passa o banco central vai reduzindo as suas compras de dívida não só em Portugal, mas também na generalidade dos países do bloco da moeda única. Isto acontece por várias razões: a primeira das quais prende-se com o facto de ter reduzido a magnitude do seu plano de estímulos desde abril passado. Em vez dos 80 mil milhões mensais, o BCE baixou o ritmo de compras para os 60 mil milhões, marcando o início da reversão dos estímulos que foram implementados para animar a economia.

Em relação a Portugal, foi o sexto mês de queda nas compras. E os 504 milhões adquiridos em dívida de Portugal comparam com a média mensal de 1.023 milhões de euros desde o início deste programa, iniciado em 2015. No total, a entidade liderada por Mario Draghi detinha 27,6 mil milhões de euros em títulos portugueses no final do mês passado.

O plano do BCE estipula um conjunto de regras que limitam o nível de compras de dívida por país, nomeadamente a chave de capital de cada membro junto do banco central. O BCE só pode ficar com até 33% de uma linha de obrigações, por exemplo.

Além disso, conforme explicou o vice-presidente do BCE, Vítor Constâncio, o banco central está a comprar agora menos dívida portuguesa do que a meta definida por essa chave de capital por causa das aquisições de dívida efetuadas num outro programa semelhante e que vigorou entre 2010 e 2012.

Quanto ao PSPP, tem fim previsto para dezembro deste ano, mas vários responsáveis da instituição com sede em Frankfurt já sublinharam que a retirada dos estímulos será feita de forma gradual para evitar perturbações nos mercados financeiros. Também os economistas esperam uma ação do BCE nesse sentido.

(Notícia atualizada às 15h31)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE voltou a reduzir compras de dívida portuguesa para novo mínimo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião