Bancos europeus vão deixar a Euribor. Querem a nova taxa do BCE

O Banco Central Europeu prepara-se para lançar uma nova taxa interbancária, que pretende ser mais fiável que a atual.

A Euribor tem os dias contados. A Ester, a taxa de juro interbancária criada pelo Banco Central Europeu, ainda está em consulta pública, mas já está a conquistar adeptos. De acordo com a Reuters, um grupo dos maiores bancos da Zona Euro decidiram que vão adotar esta nova taxa como referência.

São 23 os bancos europeus, entre eles os maiores bancos comerciais da região, segundo a agência noticiosa, que subscrevem a adoção da Ester, em detrimento da Euribor. Esta taxa poderá, assim, passar a ser utilizada como referencial para ativos financeiros de biliões de euros nos mercados financeiros, mas também nos créditos à habitação em Portugal — podendo dar um desconto nas prestações.

Esta short-term rate, uma taxa de juro que será determinada com base nas transações que ocorram no mercado interbancário da Zona Euro, foi criada pelo BCE depois de o European Money Markets Institute (EMMI), entidade responsável pela Euribor, ter falhado na tentativa de reformular a taxa.

Ester foi a sigla escolhida pelo BCE para denominar esta taxa que conta com uma fórmula de cálculo que contrasta com a da Euribor, apenas baseada em taxas comunicadas por um painel de bancos, entre eles a Caixa Geral de Depósitos. A Ester vai ser fixada em função de operações efetivamente realizadas no mercado.

Foi criada pela autoridade monetária do euro como mais uma taxa, procurando coexistir com a Euribor, mas mesmo antes de chegar ao mercado — só deverá acontecer no final de 2019 — começa já a observar-se um movimento no sentido de acabar com esta última. Recorde-se que nos últimos anos foram vários os escândalos relacionados com a manipulação da Euribor.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos europeus vão deixar a Euribor. Querem a nova taxa do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião