Draghi antes do voto sobre Brexit: “Juntos somos mais fortes”

No dia em que o Parlamento britânico decide o futuro do Reino Unido na União Europeia, o presidente do BCE lembrou que o mercado único é "um motor poderoso" para o crescimento económico sustentado.

A poucas horas de o Parlamento britânico votar o acordo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, Mario Draghi aproveitou a celebração dos 20 anos do Euro, no Parlamento Europeu, para pedir maior união na Europa. “Juntos somos mais fortes”, disse o presidente do Banco Central Europeu (BCE) em Estrasburgo.

Draghi sublinhou que, através do mercado único, a Europa “tem um motor poderoso para assegurar um crescimento sustentado, capaz de suportar os nossos padrões de vida”. “No longo prazo, a prosperidade económica e a estabilidade podem ser melhor asseguradas se os Estados membros o fizerem em conjunto”, reforçou o líder do BCE.

O Parlamento britânico realiza esta terça-feira o chamado “voto significativo” ao acordo proposto pelo Governo conservador da primeira-ministra, Theresa May, para a saída da União Europeia dentro de 73 dias, a 29 de março.

Os deputados vão começar perto das 12h00 horas o quinto e último dia de debate sobre o acordo para o Brexit, que começou na passada quarta-feira, e que vai encerrar pelas 19h00 horas com uma declaração da chefe do Governo.

Sobre os 20 anos da moeda única, Draghi lembrou que “nem todos os benefícios do euro foram possíveis em todos os países”. Isto porque “as reformas estruturais são necessárias. E fosse qual fosse o sistema monetário, esses países iriam precisar dessas reformas para tirar benefícios”, explicou.

Em Estrasburgo, a convite do Parlamento Europeu

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Draghi antes do voto sobre Brexit: “Juntos somos mais fortes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião