Governo tem 50 milhões para apoiar empresas em caso de Hard Brexit

Governo vai criar uma linha de crédito de 50 milhões de euros para apoiar as empresas portuguesas caso o Parlamento britânico reprove o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia.

O Governo vai criar uma linha de crédito de 50 milhões de euros para apoiar as empresas portuguesas caso o Parlamento britânico reprove o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), anunciou o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, em conferência de imprensa.

Esta é uma das medidas que o Executivo deverá aprovar em Conselho de Ministros esta quinta-feira e que fazem parte do plano de contingência português para um cenário de Brexit desordenado, sem acordo, conhecido por Hard Brexit. Os deputados britânicos votam o documento esta terça-feira, por volta das 21h00.

Numa conferência de imprensa em São Bento, o ministro Pedro Siza Vieira anunciou que esta linha de financiamento servirá para apoiar as empresas nas “adaptações nos seus modos de funcionamento interno” e “diversificação de mercados de exportações” que as empresas precisarão de executar caso o Brexit se desencadeie sem acordo. Além disso, o Governo planeia aprovar uma série de “incentivos à análise dos impactos que o Brexit pode ter na atividade exportadora de cada empresa”, disse o ministro, em declarações transmitidas pela RTP 3.

Para apoiar as empresas em caso de Hard Brexit, o Executivo também tenciona realizar ações de “divulgação das formalidades que passam a ser aplicáveis às relações comerciais entre empresas” dos dois países, bem como seminários do AICEP e levar a cabo uma maior capacitação dos “centros de atendimento regional do IAPMEI”, prometeu o ministro da Economia.

Fonte: INE

Turistas britânicos poderão ter tratamento especial nos aeroportos de Faro e Funchal

O ministro da Economia indicou também que, caso o Reino Unido saia da UE sem acordo, serão acionadas algumas medidas para “tentar assegurar a manutenção dos fluxos turísticos”. Entre elas estão “medidas ao nível do atendimento dos turistas britânicos nos aeroportos de Funchal e Faro [os que têm mais tráfego de cidadãos britânicos], de forma a os atendimentos e formalidades de controlo de passaportes passem a processar-se da forma mais simples possível”.

Além disso, “ao nível do turismo, onde o Reino Unido é o maior e principal mercado para Portugal”, o Governo vai implementar uma “campanha promocional junto dos turistas do Reino Unido que vise apresentar e fortalecer a imagem de Portugal como um país amigo do Reino Unido”.

Segundo disse na mesma conferência de imprensa o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, estas são medidas que “foram objeto de uma primeira discussão” esta terça-feira. O ministro, ainda assim, considerou que “seria uma boa notícia” se os deputados britânicos aprovarem o acordo alcançado pelo Governo de Theresa May com a Comissão Europeia.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h46)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo tem 50 milhões para apoiar empresas em caso de Hard Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião