António Costa: Fogo terá atingido a estrada de forma “inusitada e rápida”

  • Rita Atalaia
  • 20 Junho 2017

Esta é a explicação que a GNR deu ao primeiro-ministro para o que aconteceu em Pedrógão Grande. António Costa diz à TVI que o incêndio surpreendeu as vítimas e autoridades.

O primeiro-ministro diz que já tem a resposta por parte da GNR sobre o que aconteceu em Pedrógão Grande: o fogo terá atingido a estrada “de forma inesperada e repentina”. Uma explicação que é “consonante” com a descrição que foi feita no domingo pelas autoridades e populares. “Vamos aguardar por um esclarecimento final”, pede António Costa, que reitera a sua confiança na ministra da Administração Interna e na cadeia de comando.

“O fogo atingiu esta estrada de forma inesperada e repentina, surpreendendo todos. Desde as vítimas às autoridades”, afirma o primeiro-ministro numa entrevista à TVI 24, citando a explicação da GNR. Por ter sido uma situação “repentina” e “inusitada”, não houve qualquer “instrução específica para o encerramento daquela via”, avança António Costa.

O primeiro-ministro pediu esclarecimento urgente sobre o funcionamento da rede de SIRESP no incêndio de Pedrógão Grande e sobre os motivos da ausência de encerramento da estrada nacional 236-I, onde ocorreu um elevado número de mortes.

O primeiro-ministro aproveitou para reforçar a sua confiança na ministra da Administração Interna. “Tem sido uma excelente ministra. Não só nesta área, como no conjunto das áreas na sua tutela”, diz, elogiando a forma como a Constança Urbano de Sousa tem enfrentado esta situação. “Tenho uma grande admiração por todos os meus ministros.”

Mantenho a confiança na cadeia de comando e assim manterei até estas circunstâncias estarem concluídas. Se, no final, houver responsabilidade teremos que tirar consequências, mas até ao momento não tenho evidência de que tenha havido qualquer falha na cadeia de comando”, afirmou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa: Fogo terá atingido a estrada de forma “inusitada e rápida”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião