Otimizar recursos: o segredo do sucesso das startups

  • ECO
  • 20 Junho 2017

Da ideia à startup é um caminho comprido e... de números, garante Daniel Vila Boa, fundador e CEO da Chilltime.

Otimizar recursos é um dos segredos mais importantes para o sucesso das startups. A garantia é de Daniel Vila Boa, fundador e CEO da Chilltime que, em entrevista ao ECO, explica ao detalhe o que já aprendeu a empreender.

Como é que uma ideia cresce para uma startup?

As startups são normalmente constituídas por equipas pequenas, pelo que há dois fatores importantes para criar um negócio de sucesso: aprender a otimizar os recursos que tem à disposição e focar-se em construir as métricas-chave.

Já que as startups são inovadoras por natureza, é importante estar preparado para a turbulência e dinâmicas próprias de quando se constrói algo novo.

Para maximizar o impacto da sua startup utilizando a menor quantidade de recursos possível, revela-se útil priorizar as ideias que criam mais impacto com o mínimo esforço. Desta forma, é possível iterar mais rapidamente e absorver os efeitos das novas ideias que não funcionam tão bem.

Na prática, e assumindo que os pilares fundamentais da startup estão assegurados (um bom Produto/Mercado/Equipa), definir um sistema interno de objetivos (a serem atingidos nos próximos dois ou três meses) e os respetivos prazos é uma boa maneira de garantir que não se perde o foco, contribuindo para alcançar as métricas-chave da empresa. Imprima esses objetivos e exponha-os, quer os atinja ou não.

Isto vai permitir que a equipa esteja mais focada e atenta às suas próprias decisões, e vai também possibilitar novas aprendizagens que melhorarão decisões futuras.

O que dita o sucesso de uma startup?

O pilar fundamental para o sucesso de uma startup é um bom enquadramento do Produto/Mercado/Equipa.

O produto que está a criar deve ser algo que as pessoas genuinamente precisam ou querem. A fidelização e indicação de clientes são duas métricas-chave para percecionar efetivamente a qualidade do produto. Se não consegue convencer as pessoas a continuar a utilizar o produto, esse deve passar a ser o seu foco: continue a iterar, mude de estratégia ou invista o seu tempo numa outra ideia.

O mercado a que se dirige deve ser grande o suficiente para que consiga crescer, mas ter obstáculos pequenos o suficiente para conseguir lançar-se. Em termos práticos, para o futuro próximo, o custo de adquirir utilizadores deve ser inferior à sua receita por cliente.

Por último, mas não menos importante, a sua equipa deve ter a capacidade de encontrar ótimas soluções para problemas e deve também conseguir executar eficazmente essas ideias. Na prática, tente constituir uma equipa com as seguintes pessoas-chave: alguém com um conhecimento técnico profundo (“hacker”), um “business developer/deal maker” (“hustler”) e uma “product person” (designer).

O que diria ao CEO de uma startup recente? Qual é o melhor conselho que lhe pode dar?

Que seja apaixonado pelo que faz. Ser um empreendedor é difícil, requer um grande compromisso e muita dedicação. Haverá momentos altos e momentos baixos, e ser apaixonado pelo que faz vai ajudá-lo a absorver o impacto dos pontos baixos e a manter-se focado na sua missão durante os pontos altos. Se a sua motivação é sobretudo financeira, de reconhecimento ou fama, vai ser difícil manter-se firme depois de o derrubarem, e vai ser ainda mais difícil manter os pés assentes na terra.

Como mencionado anteriormente, uma boa maneira de garantir que não se perde o foco é definir um sistema interno de objetivos (a serem atingidos nos próximos dois, três meses) e os respetivos prazos, contribuindo para um melhor alcance das métricas-chave da empresa. Imprima esses objetivos e exponha-os num sítio visível, independentemente de os ter alcançado com sucesso ou não, no prazo estipulado ou fora do prazo. Tal permite que a equipa esteja mais focada e consciente das suas decisões, ao mesmo tempo que aprende e melhora a sua tomada de decisões no futuro.

Por último, gira a sua empresa como se houvesse uma equipa vizinha a trabalhar exatamente no mesmo problema, mas que está a trabalhar mais, mais tempo e de forma mais inteligente. Porque a realidade é que essas empresas existem e já podem ter ultrapassado a sua startup.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Otimizar recursos: o segredo do sucesso das startups

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião