EuroBic é “inconfundível com qualquer outra marca”

  • Rita Atalaia
  • 21 Junho 2017

O presidente do banco BIC, agora chamado EuroBic, afirma que esta mudança de marca já estava provisionada e não vai, por isso, afetar os resultados do banco.

Teixeira dos Santos garante que a mudança de marca do banco BIC “em nada vai afetar os resultados do banco”. Esta alteração no agora chamado EuroBic, como foi avançado pelo ECO, já estava provisionada, explica o presidente da instituição financeira. Esta reformulação, que vai tornar a marca “inconfundível com qualquer outra”, deve ser vista “como uma oportunidade” para relançar o banco junto dos clientes, defende.

“Em termos de encargos, [esta mudança] é algo que já estava previsto. Foi no passado devidamente provisionada e em nada vai afetar os resultados do banco”, refere Teixeira dos Santos na apresentação da alteração da marca, tendo revelado que até maio o banco registou um lucro de seis milhões de euros. A instituição foi obrigada a mudar de marca depois de a justiça ter confirmado a decisão favorável ao Banco BiG no processo contra o BIC Portugal por causa da confusão de marcas entre as duas instituições financeiras.

“Há que tornar” esta obrigatoriedade legal “numa oportunidade de relançar o banco”. Esta mudança tem de estar totalmente concluída até 27 de julho, diz Teixeira dos Santos. Por isso, “dois ou três dias antes” vão começar a ser feitas as alterações nas agências.

Para além da imagem, a rede também vai sofrer cortes. “Vamos reduzir agências”, esclarece o presidente do banco, acompanhando a tendência que se tem vindo a verificar nos outros bancos. O BIC fechou perto de 16 agências ao longo de um ano “e devemos manter esse ritmo”. “Há saída de pessoal, mas são saídas que são voluntárias”, explica.

Mas porquê EuroBic?

Teixeira dos Santos afirma que é uma “marca que altera de forma substantiva a marca atual, tornando-a inconfundível com qualquer outra marca”. Mas também é uma “marca que, ao preservar a identidade original do banco, evidencia o caráter europeu do projeto”.

“É uma marca que na sua composição tem de forma clara uma referência ao continente em que Portugal se integra. Mas tem consigo uma referência à moeda única europeia, o que lhe transmite uma capacidade identificadora imediata no setor bancário europeu”, de acordo com a apresentação da nova marca. “É uma novidade, mas não nos faz perder os vínculos existentes com os clientes”, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EuroBic é “inconfundível com qualquer outra marca”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião