Défice orçamental do primeiro trimestre fica em 2,1%, sem Caixa

  • Margarida Peixoto
  • 23 Junho 2017

O défice orçamental arrancou 2017 nos 2,1% do PIB, revelam os dados publicados pelo INE. No ano terminado no primeiro trimestre, o défice caiu para 1,7% do PIB. Números não contam com a Caixa.

Mário Centeno, ministro das Finanças, assumiu o compromisso de deixar o défice deste ano em 1,5% do PIB.Paula Nunes / ECO

O défice orçamental ficou em 2,1% no primeiro trimestre de 2017, na contabilidade que importa a Bruxelas, mostram os dados publicados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). No ano terminado no primeiro trimestre, o défice caiu para 1,7% do PIB, o que mostra uma redução face ao ano passado.

O valor do período de janeiro a março fica abaixo do registado no mesmo trimestre de 2016 (que foi de 3,3%), como mostra o gráfico.

Défice trimestral corrige

Fonte: INE

Quando a análise é feita a 12 meses, isto é, utilizando o valor do ano terminado em cada trimestre de forma a corrigir os efeitos de sazonalidade, o ajustamento progressivo é visível.

Administrações Públicas corrigem défice

Fonte: INE

Ainda assim, a meta definida pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, para o conjunto de 2017 é de 1,5% do PIB, o que mostra que o esforço continua a ser exigente.

Défice sem efeito Caixa

Os dados revelados hoje pelo INE excluem o impacto da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, um efeito que ainda está em análise, explica o INE, mas que poderá vir a prejudicar os números. Contudo, a Comissão Europeia já considerou que será entendido como temporário, não justificando um regresso ao Procedimento por Défice Excessivo, de onde Portugal foi agora retirado.

No boletim, o INE adianta que a análise ao modo de contabilização da Caixa está a ser feita em diálogo com o Eurostat e que “terá como limite temporal março de 2018”, quando for reportada a primeira notificação do Procedimento dos Défices Excessivos relativa a 2017. Havia a expectativa de que o impacto pudesse vir a ser revelado hoje.

Em causa está um valor total de recapitalização de 4.874 milhões de euros, dos quais 4.444 milhões concretizados no primeiro trimestre deste ano. Do total, 3.944 milhões de euros foram suportados pelo Estado português, o que corresponde a 2,1% do PIB, explica ainda o organismo de estatística.

Receita sobe mais do que despesa

O valor registado no primeiro trimestre, que corresponde a um défice de 965,6 milhões de euros, traduz o aumento da receita acima do crescimento da despesa: 3,1% contra 0,3%. O número fica também abaixo da estimativa de 2,4% que tinha sido avançada pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO).

O INE destaca a subida da receita com impostos sobre a produção e importação (4,2%) e das contribuições sociais (5,1%), bem como da outra receita corrente (28,5%). Já os acréscimos da despesa justificam-se sobretudo pelo consumo intermédio (7,5%) e pela despesa de capital (12,5%). Já os gastos com prestações sociais e com juros diminuíram, respetivamente, 1,4% e 4,2%.

"Verificou-se um aumento mais acentuado da receita (3,1%) comparativamente com o da despesa (0,3%).”

INE

Contas nacionais por setor institucional, junho 2017

Já se a análise for feita a 12 meses, isto é, contabilizando três trimestres de 2016, e o primeiro de 2017, a receita subiu 0,7% e a despesa aumentou 0,1%. A receita subiu com a ajuda dos impostos sobre a produção e importação, contribuições sociais e outras receitas correntes. Já os impostos sobre o rendimento e o património desceram, bem como a receita de capital.

Do lado da despesa, o consumo intermédio aumentou, bem como a despesa de capital e a despesa com pessoal — que reflete a reposição dos salários, o aumento do subsídio de alimentação dos funcionários públicos e a contratação de pessoal para o Serviço Nacional de Saúde e a Educação. Mas todas as restantes componentes da despesa caíram.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice orçamental do primeiro trimestre fica em 2,1%, sem Caixa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião