Catarina Martins exige um “plano de emergência” da Proteção Civil até ao final do mês

  • Margarida Peixoto
  • 24 Junho 2017

A coordenadora do Bloco de Esquerda deixou três exigências ao Governo: apurar o que aconteceu, responsabilizar quem deva ser responsabilizado e apresentar um "plano de emergência" até final do mês.

São três as exigências que Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, deixou este sábado ao Governo, na sequência da tragédia de Pedrógão Grande: “Apurar o que aconteceu, responsabilizar quem deva ser responsabilizado e ter um plano em marcha.” A líder bloquista dá até ao final do mês para a Proteção Civil mostrar que está preparada para o verão.

“A Proteção Civil tem de ser capaz de apresentar um plano de emergência ao país, em que tirando consequências nos diz quais são os mecanismos que tem em prática para poder responder” ao verão, exigiu Catarina Martins, em declarações transmitidas pela RTP3. A coordenadora do BE frisou que é preciso ter “um plano em marcha até ao final do mês que corrija todas as falhas para garantir às populações que têm uma Proteção Civil capaz durante o verão.”

Mas não é tudo. Também é preciso apurar o que aconteceu e tirar daí consequências, porque “não correu tudo bem”, defendeu. “O BE mantém a exigência de que todas as perguntas tenham resposta e que quem deve ser responsabilizado, que seja responsabilizado,” sublinhou. Numa declaração por escrito publicada na edição deste sábado do semanário Expresso, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, também frisou que é preciso “apurar tudo, mesmo tudo” e “sem limites ou medos.”

Catarina Martins voltou ainda a insistir que a linha de financiamento comunitário para plantar eucaliptos deve ser suspensa. A responsável explicou que estão em causa nove milhões de euros, num concurso que ainda está a decorrer até 31 de julho, mas que só servem para plantar eucaliptos. A ideia do BE é suspender este concurso e reconverter este dinheiro para financiamento da plantação de outras espécies arbóreas, nas mesmas regiões afetadas pelos incêndios. “Transfere-se para espécies que sendo comercialmente menos rentáveis, precisam de mais apoio”, defendeu.

“O Siresp nunca devia ter existido assim”

Catarina Martins criticou ainda o sistema de comunicações de emergência Siresp, argumentando que este “nunca devia ter existido assim”. Para a bloquista, “o Siresp não é a solução, nem o modelo financeiro nem operacional”, uma vez que no seu ponto de vista este tipo de serviços devem ser da “responsabilidade direta do Estado” e não uma parceria público-privada. “Não podemos chegar a um momento em que está em causa a vida das populações e dizer que a culpa foi de um empresa qualquer”, defendeu, acrescentando que esta responsabilidade deve ser “integralmente pública porque este é o serviço por excelência do Estado.”

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins exige um “plano de emergência” da Proteção Civil até ao final do mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião